Tabelião diz que mãe de Pedrinho falsificou procurações

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado segunda-feira, 10 de fevereiro de 2003 as 15:16, por: CdB

A mãe adotiva de Oswaldo Borges Júnior, o Pedrinho, seqüestrado ao nascer e encontrado quase 17 anos depois, Vilma Martins Costa, falsificou duas procurações, com datas distintas. Segundo um tabelião de Aparecida, ela falsificou a assinatura dos próprios filhos Oswaldo Júnior e Roberta Jamile, que também pode ter sido roubada da maternidade.

A informação foi dada pelo tabelião Brasillmar Queiroz Brasil, do Cartório de Notas e Registro Civis da Vila Brasília, em Aparecida de Goiânia, Goiás.

Segundo o tabelião, as procurações foram outorgadas em favor de Vilma e davam a ela direito de fazer saques em banco, movimentar contas, vender imóveis e retirar seguros que o marido Oswaldo, já falecido, deveria ter.

“Ela falsificou o impresso do cartório, a minha assinatura, deixou de apor os respectivos carimbos nas procurações”, explicou o tabelião, dizendo ainda que levou o caso ao conhecimento do delegado geral Antônio Gonçalves Pereira, da Delegacia de Investigações Criminais (Deic), para tomar as providências cabíveis.

As procurações seriam para que a herança a que os dois filhos, supostamente de Oswaldo Borges, teriam direito passasse para Wilma.

“Eu acredito que, indiretamente, a Roberta e o Pedrinho também estão envolvidos nessa questão, porém, isso compete à Polícia averiguar”, declarou o tabelião.

Brasilmar contou que uma funcionária do cartório havia comentado com os dois – Roberta e Pedrinho – que a falsificação fora descoberta.

O tabelião disse ainda que, uma vez, quando os jovens estavam no cartório e viram-no chegar, fugiram. “Acredito que eles tenham ficado com medo que eu chamasse a polícia”.

O tabelião não sabe precisar o número e o valor dos bens deixados por Oswaldo, mas acredita que são muitos e que, “com essas procurações, Wilma, pode levantar toda a vida dele”.

Brasilmar acrescentou que já prestou depoimento na Deic e que agora o delegado chamará as partes envolvidas para esclarecer a ocorrência.

“Não sei como essa pessoa ainda não está atrás das grandes”, comentou.

“Ela parece convencer as pessoas e até as autoridades. Mas a minha parte está feita”, concluiu.