A história conservadora: crônica de particularidades

Michel Foucault

Por José Carlos Ruy – Fernand Braudel chamou de mudança “profunda” aquela que ocorre a longo prazo e, segundo ele, de forma autônoma e à margem da praxis humana, de sua experiência concreta. Esta interpretação, “autonomista”, da mudança de longa duração contribuiu para o pensamento conservador ao preconizar como inútil.

Continue lendo

O papel do acaso na história

Por José Carlos Ruy – Se a história como ciência não tem uma capacidade absoluta de previsão, argumenta Gould, nem por isso o processo histórico será “algo desprovido de sentido e de um padrão significativo”, como também ocorre com a evolução dos seres vivos.

Continue lendo