China prepara fase pós-covid-19 e pode influenciar o agronegócio brasileiro

Contribuíram para a desaceleração a soja, que passou de 5,10% para -3,01%

O Brasil deve estar atento às medidas de incentivo ao desenvolvimento agrícola chinês e aos efeitos do cumprimento da primeira fase do novo acordo comercial EUA-China. Com o objetivo de mitigar possíveis interrupções de fornecimento de alimentos, em decorrência da crise gerada pela covid-19, o governo chinês quer acelerar o ritmo da diversificação geográfica em relação à sua capacidade de fabricação e processamento de alimentos.

Continue lendo