Talebã assume responsabilidade por assassinato de funcionário afegão em Cabul

Arquivado em: Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 6 de agosto de 2021 as 11:18, por: CdB

Um alto funcionário do Afeganistão foi assassinado nesta sexta-feira pelo Talebã, sendo a última vítima de uma série de ataques contra funcionários do país promovidos pela organização terrorista.

Por Redação, com Sputnik – de Cabul

Um alto funcionário do Afeganistão foi assassinado nesta sexta-feira pelo Talebã, sendo a última vítima de uma série de ataques contra funcionários do país promovidos pela organização terrorista.

Um alto funcionário do Afeganistão foi assassinado pelo Talebã

O movimento Talebã (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) assumiu a responsabilidade pelo assassinato do chefe do Centro de Mídia e Informações do Governo do Afeganistão (GMIC, na sigla em inglês), Dawa Khan Menapal, nesta sexta-feira, na capital afegã, Cabul.

Menapal trabalhou frequentemente como porta-voz do presidente afegão Ashraf Ghani. O Talebã afirmou que o ocorrido foi uma “punição” pelas ações do funcionário.

O porta-voz foi atacado por homens armados na estrada de Darul Aman em Cabul, de acordo com canal de notícias TOLO News. Menapal é a última vítima de uma série de ataques contra funcionários afegãos realizados pelo movimento terrorista.

Crime

Anteriormente, no dia 3 de agosto, o Talebã assassinou o governador do distrito de Sayed Abad na província de Maidan Wardak.

Dawa Khan Menapal, o chefe do Centro de Mídia e Informações do Governo afegão foi assassinado em um ataque realizado por homens armados na estrada de Darul Aman em Cabul hoje, dizem fontes.

– (Menapal) foi um jovem que ficou como uma montanha perante a propaganda inimiga, e quem sempre foi o maior apoiador do regime (afegão) – disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Mirwais Stanikzai.

Com a retirada das forças estrangeiras do Afeganistão, o Talebã tem conseguido capturar vários territórios no decorrer dos últimos três meses, mas ainda não conseguiu capturar com sucesso nenhuma capital de província.

No final de julho, a ONU publicou um relatório registrando grande aumento da violência no país, particularmente entre maio e junho, depois que a coalizão ocidental iniciou a retirada de seu contingente militar da região.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code