Theresa May quer unir Reino Unido, diz porta-voz de premiê 

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 1 de abril de 2019 as 11:50, por: CdB

O Reino Unido deveria ter deixado o bloco europeu na última sexta-feira, mas optou por solicitar uma prorrogação do prazo, devido à não aprovação parlamentar de um acordo de separação.

Por Redação, com Reuters e DW – de Londres

A primeira-ministra britânica, Theresa May, deixou claro que o Reino Unido precisa se fortalecer após o referendo de 2016 do Brexit, disse o porta-voz da premiê quando questionado sobre os comentários de um parlamentar conservador a respeito da inevitabilidade de um Brexit mais brando após a eleição de 2017.

Premiê britânica, Theresa May

Mais cedo, Julian Smith, um dos líderes do Partido Conservador, disse à BBC que a perda da maioria de May na eleição de 2017 “inevitavelmente” levaria o governo a aceitar um Brexit mais brando e que os ministros de May haviam demonstrado ser “o pior exemplo de disciplina” na história política britânica.

– A primeira-ministra deixou claro que havia uma necessidade de unir novamente o país após a votação do Brexit, e é isso que eles (o governo) estão tentando alcançar – disse o porta-voz de May disse a repórteres.

– Esse é um assunto que desperta fortes emoções nos membros do Parlamento de todos os lados do debate, eu acho que o que é importante é todos no governo continuarem a trabalhar em prol do objetivo de fornecer um veredicto do referendo.

Petição anti-Brexit

A petição lançada na Internet que pede o cancelamento do Brexit ultrapassou 6 milhões de assinaturas no domingo, tornando-se a iniciativa popular mais votada no Reino Unido. De acordo com os regulamentos vigentes, a petição será debatida na segunda-feira pelos deputados britânicos, num ato meramente simbólico, pois não haverá votação.

Em sua resposta recente aos signatários, o Executivo britânico já assinalou que não tem intenção de cancelar a ativação do Artigo 50 do Tratado de Lisboa, que em 29 de março de 2017 deu início às negociações com Bruxelas para a saída do Reino Unido da União Europeia. “Honraremos o resultado do referendo de 2016 e trabalharemos com o Parlamento para aprovar um acordo que garanta a saída da UE”, prosseguiu Londres, alegando que a revogação do artigo “enfraqueceria a democracia”.

No auge do interesse dos cidadãos, a iniciativa no site do governo e do Parlamento britânico chegou a atrair 2 mil assinaturas por minuto. O maior pico ocorreu depois do muito criticado discurso em que a primeira-ministra Theresa May culpou os deputados pelo fracasso do acordo proposto por ela na Câmara dos Comuns, em 20 de março.

A petição foi promovida no fim de fevereiro pela ex-professora universitária britânica Margaret Anne Georgiadou, que tanto já sofreu ameaças de morte, como foi supostamente vítima de hackers, que postaram em sua conta do Facebook ameaças de matar May a tiros “em nome do patriotismo”.

O Reino Unido deveria ter deixado o bloco europeu na última sexta-feira, mas optou por solicitar uma prorrogação do prazo, devido à não aprovação parlamentar de um acordo de separação. May planeja submeter sua proposta a votação pela quarta vez nesta semana, enquanto os deputados tentarão chegar ao consenso através de uma via alternativa, na segunda-feira. Uma petição que pedia um segundo referendo, após a vitória do Brexit em 23 de junho de 2016, reuniu 4,2 milhões de assinaturas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *