Tiroteio deixa mortos na Cidade de Deus

Arquivado em: Destaque do Dia, Polícia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 23 de outubro de 2019 as 12:50, por: CdB

Tiroteio na Cidade de Deus, Zona Oeste do Rio de  Janeiro, deixou três pessoas mortas nesta quarta-feira.

Por Redação, com agências de notícias – do Rio de Janeiro

Tiroteio na Cidade de Deus, Zona Oeste do Rio de  Janeiro, deixou três pessoas mortas nesta quarta-feira, durante uma operação policial.

Tiroteio na Cidade de Deus, Zona Oeste do Rio de  Janeiro, deixou três pessoas mortas
Tiroteio na Cidade de Deus, Zona Oeste do Rio de  Janeiro, deixou três pessoas mortas

Segundo a polícia, agentes do 18º batalhão faziam uma operação na comunidade quando foram recebidos a tiros na localidade conhecida como Bariri.

Na operação, os policiais encontraram um suspeito caído no chão, com ele, foram apreendidos um fuzil, três pistolas, uma granada e drogas.

Segundo a Polícia Militar, outras duas pessoas deram entrada na Unidade de Pronto Atendimento da Cidade de Deus baleadas, mas também não resistiram.

Um vídeo publicado na Internet mostra um homem caído no chão e pessoas gritando “é morador, é morador”.

Moradores relataram nas redes sociais, disparos na comunidade desde as 6h40, nas localidades Karatê e 15.

Morte de jovens

O Instituto de Segurança Pública (ISP) pode ser obrigado a produzir estatísticas específicas sobre a morte de jovens de até 24 anos no estado de Rio de Janeiro. É o que determina o Projeto de Lei 3.360/17, de autoria da deputada Zeidan Lula (PT), que a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou em segunda discussão na terça-feira.

Hoje o ISP divulgou os dados da criminalidade no Estado de janeiro a setembro deste ano. De acordo com os registros de ocorrências das delegacias de polícia do estado, o Rio de Janeiro teve uma redução de 21% nos casos registrados como homicídio doloso.

A proposta obriga a tabulação de todos os dados classificados como homicídio e feminicídio de vítimas jovens e estabelece que deverá existir codificação própria e padronizada à disposição de todas as secretarias estaduais e demais órgãos do governo.

Os dados deverão considerar idade, sexo e etnia das vítimas, além da região onde o crime ocorreu. Os números deverão permanecer para consulta pela internet e integrados ao banco de dados do ISP. O projeto prevê ainda que as estatísticas sejam atualizadas anualmente.

Para Zeidan, especificar as estatísticas referentes ao assassinato de jovens vai colaborar para planejar melhor as políticas públicas. Para efeito do projeto, acrescentou a deutada, foi adotada a definição de jovem do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), fixando o limite etário até 24 anos.

– O governo do Estado tem estatísticas importantes que medem os índices de violência. É preciso que seja identificada de forma clara a proporção de mortes dos jovens para que possamos construir políticas públicas eficazes – justificou Zeidan.

O texto seguirá para o governador Wilson Witzel, que tem até 15 dias úteis para decidir de sanciona ou veta o projeto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *