Tiroteio no Vidigal fecha a Avenida Niemeyer

Arquivado em: Polícia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 14 de agosto de 2018 as 14:02, por: CdB

Segundo a PM, agentes da base da UPP na comunidade foram atacados a tiros por criminosos. Um policial ficou ferido e foi levado para o Hospital Miguel Couto, na Gávea, onde permanece internado

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro

A Avenida Niemeyer, que liga os bairros do Leblon a São Conrado, ficou fechada por duas horas durante a manhã desta terça-feira devido a um tiroteio entre policiais e traficantes da comunidade do Vidigal. Segundo a PM, agentes da base da UPP na comunidade foram atacados a tiros por criminosos. Um policial ficou ferido e foi levado para o Hospital Miguel Couto, na Gávea, onde permanece internado.

A Avenida Niemeyer, que liga os bairros do Leblon a São Conrado, ficou fechada por duas horas durante a manhã desta terça-feira devido a um tiroteio

A troca de tiros começou por volta das 8h53, na Rua 25 de Dezembro, no interior da comunidade, segundo o segundo o aplicativo Fogo Cruzado. De acordo com a PM, após a troca de tiros, os marginais fugiram em direção à mata que circunda o Vidigal e faz fronteira com a comunidade da Rocinha.

Por volta as 12h, o tráfego voltou a fluir normalmente na avenida e ciclistas voltaram a usar a Ciclovia Tim Lopes. A UPP do Vidigal foi instalada há seis anos na comunidade.

Roubo de carga

O Rio de Janeiro registrou queda no número de roubo de cargas em julho. Foram 731 ocorrências contra 908 no mesmo período de 2017. Outros índices também apresentaram queda como o roubo de veículos que passou de 4.951 em julho do ano passado contra 3.518 neste ano; queda de 29%;

O roubo de rua, caiu de 12.587 para 11.021, no período avaliado, o que representa queda de 5%. Os dados referentes a latrocínio, roubo seguido de morte, também caíram 61%.  Foram 9 casos em julho deste ano contra 23 em 2017.

O número de homicídios dolosos, no entanto, aumentou: foram 408 em 2018, contra 374 no ano passado.

Os números do Instituto de Segurança Pública (ISP) foram antecipados pelo secretário de Segurança do Estado, general Richard Nunes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *