Traficante envolvido no assassinato de estudante na Tijuca é preso

Arquivado em: Destaque do Dia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado domingo, 6 de outubro de 2019 as 13:07, por: CdB

O traficante de 27 anos, também conhecido como Pepinho, tinha 16 mandados de prisão por roubos e tráfico de drogas.

Por Redação – do Rio de Janeiro

Policiais Civis da 19ª DP, em conjunto com Policiais Militares da UPP/Borel prenderam, na manhã deste domingo, na praia da Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, Peterson Fonseca de Souza, conhecido como “Pepinho”, 27 anos. O bandido é acusado pelo ataque à base da UPP Borel, em 9 de agosto, que terminou com a morte do estudante Gabriel Pereira Alves, 18 anos. Agentes cumpriram 16 mandados de prisão por roubos e tráfico de drogas.

Policiais civis prenderam o traficante, líder do tráfico no Borel, na praia da Barra da Tijuca
Policiais civis prenderam o traficante, líder do tráfico no Borel, na praia da Barra da Tijuca

De acordo com a polícia, após a troca de informações do núcleo de tráfico da 19ª DP e policiais militares da UPP/BOREL foi possível identificar a localização exata de “Pepinho”, líder do tráfico de drogas no morro do Borel.

Peterson agia nos roubos de veículos e residências na região da Tijuca, Barra da Tijuca e Alto da Boa Vista.

Peterson Fonseca será encaminhado à SEAP onde permanecerá a disposição da Justiça.

Protest pela morte de Gabriel Pereira Aves

Em agosto, moradores da Tijuca e parentes do estudante Gabriel protestaram nas ruas do bairro. A deputada estadual Mônica Francisco (PSOL), ex-moradora do Morro do Borel, acompanha a manifestação. Ela também se pronunciou nas redes sociais.

Gabriel tinha apenas 18 anos e estava no ponto de ônibus na rua Conde de Bonfim, na Tijuca, quando levou um tiro
Gabriel tinha apenas 18 anos e estava no ponto de ônibus na rua Conde de Bonfim, na Tijuca, quando levou um tiro

“Mais um jovem morto no Borel. Impedido de ir à escola. Foi atingido enquanto esperava o ônibus. Quantos mais?”, escreveu a parlamentar. Segundo Mônica, ações policiais nas comunidades devem evitar o horário em que as pessoas saem para trabalhar e para estudar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *