Traficantes de bebês são condenados à pena de morte em Pequim

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado segunda-feira, 1 de dezembro de 2003 as 05:07, por: CdB

O Tribunal Intermediário da cidade de Yuli, na província chinesa de Guangxi (sul), condenou à pena de morte seis dos maiores responsáveis de um grupo de traficantes de crianças que vendeu 118 bebês desde 2001, informaram, nesta segunda-feira, fontes oficiais, acrescentando que uma das vítimas morreu por overdose de soníferos.

Xie Deming e Cui Wenxian foram condenados à pena máxima, assim como outros quatro traficantes, embora estes últimos ainda tenham recebido uma suspensão de dois anos.

Outras cinco pessoas foram condenadas à prisão perpétua por participar da venda de 118 crianças entre as províncias de Guangxi (sul), Henan (centro), Anhui (leste) e Hubei (centro).

Xie, um granjeiro de 57 anos que vendeu, com a colaboração de sete parentes seus, 46 bebês a famílias sem descendência de Anhui e Henan, declarou à polícia que suas atividades eram apenas para ‘ajudar’ os pais a adotarem filhos.

As autoridades judiciais abriram mais dois processos relacionados a este caso em outubro e novembro, devido à grande quantidade de envolvidos na compra e venda de crianças. No total, 40 pessoas foram condenadas a penas de prisão de 18 meses a 15 anos.

Entre os réus havia 12 médicos, que cobravam de 100 a 200 iuanes (de 12 a 24 dólares) por menino, acrescentou a fonte.

Todos os anos a China recupera milhares de crianças vítimas do tráfico de pessoas, mas muitas acabam em orfanatos, já que é impossível encontrar seus verdadeiros pais, em sua maioria camponeses ou operários sem recursos para buscá-los.