Tragédias no Mediterrâneo deixam mais de 40 mortos na Turquia e Tunísia

Arquivado em: África, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado domingo, 3 de junho de 2018 as 14:57, por: CdB

A guarda costeira turca conseguiu resgatar com vida três homens e uma mulher; além de um quinto imigrante, retirado do Mediterrâneo por um barco pesqueiro.

 

Por Redação, com Ansa – de Roma

 

Duas tragédias envolvendo imigrantes ocorreram neste domingo, na Turquia e na Tunísia. Somadas, deixam mais de 40 mortos. Nove pessoas, sendo seis crianças, morreram em um naufrágio no Mar Egeu, próximo ao litoral turco. O navio em que viajavam teve um problema e afundou por volta das 2h locais; na região da ilha de Kekova Geykova. Não muito longe da zona balneária de Demre.

Guarda Costeira resgata sobreviventes no Mediterrâneo
Guarda Costeira resgata sobreviventes no Mediterrâneo

A guarda costeira turca conseguiu resgatar com vida três homens e uma mulher; além de um quinto imigrante, retirado das águas por um barco pesqueiro. Outra pessoa ainda está desaparecida.

Quase na mesma hora da tragédia na Turquia, as autoridades da Tunísia encontraram uma embarcação com ao menos 35 mortos e 67 sobreviventes. De acordo com o Ministério do Interior do país, o balanço ainda é provisório. A guarda costeira recebeu um alerta de que um navio estava em dificuldades próximo de Sfax.

Direita fascista

Por sua vez, a Espanha informou que resgatou 240 imigrantes que estavam a bordo de 11 barcos no Mar Mediterrâneo, vindos do norte da África; nos últimos dois dias. De acordo com as Nações Unidas, 660 imigrantes morreram neste ano enquanto tentavam fazer a travessia do Mediterrâneo. Nos primeiros quatro meses de 2018, ao menos 22.439 pessoas alcançaram a costa europeia.

As tragédias ocorreram no mesmo dia em que o novo ministro do Interior e vice-premier da Itália, Matteo Salvini, visita a Sicília, no sul da Itália, para discutir a crise imigratória.

— Basta à Sicília como campo de refugiados da Europa. Não assistirei mais, de braços cruzados, aos desembarques de navios. Precisa-se de mais centros de expulsão — disse o representante da direita fascista italiana.