Tropas dos EUA serão retiradas da Síria, mas continuarão combatendo EI, diz Pompeo

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 10 de janeiro de 2019 as 12:20, por: CdB

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, afirmou nesta quinta-feira, durante visita à capital egípcia, que os EUA vão retirar suas tropas da Síria, mas continuarão combatendo os terroristas do Daesh.

Por Redação, com Sputnik – de Washington

m 19 de dezembro, o presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou a vitória sobre o Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) na Síria, acrescentando que a luta contra a organização era o único motivo de os EUA permanecerem na República Árabe durante seu mandato.

Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, durante visita ao Iraque

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, afirmou nesta quinta-feira, durante visita à capital egípcia, que os EUA vão retirar suas tropas da Síria, mas continuarão combatendo os terroristas do Daesh.

– A ameaça do terrorismo radical islâmico é real. O Daesh continua (operando), nós o combatemos em várias regiões do mundo. Comprometemo-nos a continuar prevenindo o crescimento do Daesh (…) Nós faremos isso, de uma forma diferente em um lugar específico, Síria. A decisão dos Estados Unidos, a decisão de Donald Trump, de retirar nossas tropas tem sido cumprida. Nós faremos isso – apontou Pompeo.

Ele acrescentou que Washington permanecerá sendo um firme parceiro no Oriente Médio.

Anteriormente em dezembro, a mídia reportou que Trump encarregou o Pentágono de elaborar um plano de retirada de cerca de metade dos 14 mil soldados americanos do Afeganistão, que coincidiu com o anúncio do presidente de que 2 mil oficiais militares norte-americanos serão retirados da Síria.

De acordo com oficiais norte-americanos, a retirada das tropas dos EUA da República Árabe levará de 60 a 100 dias.

Entretanto, a decisão de Trump foi criticada por vários oficiais norte-americanos e resultou em duas demissões, do secretário de Defesa, Jim Mattis, e de Brett McGurk, enviado especial da coalizão dos EUA na Síria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *