Trump ainda não se conforma com a derrota para o democrata Joe Biden

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado domingo, 8 de novembro de 2020 as 16:08, por: CdB

Trump também compartilhou trechos de uma análise feita por Jonathan Turley, jurista e professor da Universidade George Washington, segundo a qual os EUA tem “uma história de problemas eleitorais”.

Por Redação, com Reuters – de Washington

Embora os resultados divulgados traduzam, mais claramente, sua derrota para o democrata Joe Biden, o agora ex-presidente norte-americano Donald Trump não se conforma com a derrota. Após mais de 24 horas depois, Trump voltou a indicar que não aceitará o resultado das urnas; agora, citando terceiros.

Donald Trump cita republicanos que também não se conformam com a derrota para o Partido Democrata

O candidato derrotado publicou, neste domingo, frases atribuídas a líder republicano Newt Gingrich, ex-presidente da Câmara dos Representantes dos EUA.

“Esta foi uma eleição roubada’, disse Gingrich. ‘Eles roubaram tudo o que tinham para roubar”, reproduziu no Twitter o inquilino da Casa Branca, prestes a ser despejado.

Suprema Corte

Trump também compartilhou trechos de uma análise feita por Jonathan Turley, jurista e professor da Universidade George Washington, segundo a qual os EUA tem “uma história de problemas eleitorais”.

Turley menciona a ordem da Suprema Corte para que os votos recebidos por correio depois do dia da eleição fossem contabilizados de forma separada na Pensilvânia, estado em que Biden foi projetado como vencedor e que lhe garantiu o número de delegados necessários para ser considerado presidente eleito dos EUA.

“Quando você fala de problemas sistêmicos, é sobre como essas cédulas foram autenticadas, porque se houver um problema no sistema de autenticação, isso afetaria seriamente toda a eleição”, diz Turley em um dos trechos compartilhados por Trump.

Fraude sistêmica

O jurista também se diz preocupado com “100 milhões de cédulas por correio em cidades como Filadélfia e Detroit” que, segundo ele, têm “uma longa série de problemas eleitorais (para dizer o mínimo)”.

As cidades são, respectivamente, as mais importantes da Pensilvânia e de Michigan, estados considerados decisivos e que foram conquistados por Biden neste pleito. A apuração em ambos também é alvo de ações judiciais movidas pela campanha de Trump.

Em outras publicações que não foram compartilhadas pelo republicano, Turley diz, em seu perfil pessoal, que é a favor de uma revisão nos votos, mas que “não há atualmente nenhuma evidência de fraude sistêmica” na eleição.