Trump cogita punir empresas chinesas nas bolsas de valores

Arquivado em: América do Norte, Ásia, Comércio, Destaque do Dia, Indústria, Negócios, Serviços, Últimas Notícias
Publicado domingo, 29 de setembro de 2019 as 14:05, por: CdB

Os Estados Unidos e a China têm estado presos em uma crescente guerra comercial há mais de um ano. Ambos têm cobrado impostos punitivos sobre centenas de bilhões de dólares dos bens uns dos outros, o que tem abalado os mercados financeiros e ameaçado o crescimento global.

 

Por Redação, com Reuters – de Nova York, NY-EUA

 

O governo Trump está considerando novas táticas radicais de pressão financeira sobre Pequim, incluindo a possibilidade de deslistar empresas chinesas das bolsas de valores dos EUA. Ainda assim, a China espera que Pequim e Washington resolvam sua disputa comercial “com uma atitude calma e racional”, disse o vice-ministro do Comércio, Wang Shouwen, neste domingo, antes das negociações entre os dois lados que começam em duas semanas.

Vice-ministro do Comércio chinês, @ang Shouwen participa das negociações com os EUA
Vice-ministro do Comércio chinês, @ang Shouwen participa das negociações com os EUA

Os Estados Unidos e a China têm estado presos em uma crescente guerra comercial há mais de um ano. Ambos têm cobrado impostos punitivos sobre centenas de bilhões de dólares dos bens uns dos outros, o que tem abalado os mercados financeiros e ameaçado o crescimento global.

Uma nova rodada de negociações de alto nível entre as duas maiores economias do mundo em Washington está prevista para os dias 10 a 11 de outubro, liderada, do lado chinês, pelo principal assessor econômico do presidente Xi Jinping, o vice-primeiro-ministro, Liu He.

Feriado

Wang, que fez parte da equipe de negociação da China com os Estados Unidos, disse em entrevista coletiva que Liu iria a Washington para as negociações na semana seguinte ao feriado do Dia Nacional da China, que termina em 7 de outubro.

Ele disse esperar que os dois lados encontrem maneiras de resolver suas diferenças.

— Acreditamos que isso beneficiará o povo dos dois países e o mundo — acrescentou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *