Trump expulsa 60 russos e ordena fechamento de consulado

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 26 de março de 2018 as 11:33, por: CdB

A ordem de expulsão inclui 12 agentes da inteligência russa da missão do país junto à Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, e reflete preocupações

Por Redação, com Reuters – de Washington:

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ordenou nesta segunda-feira a expulsão de 60 russos dos Estados Unidos e o fechamento do consulado da Rússia em Seattle devido a um ataque com uso de agente nervoso no início deste mês no Reino Unido, disseram autoridades graduadas dos EUA.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

A ordem de expulsão inclui 12 agentes da inteligência russa da missão do país junto à Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York; e reflete preocupações de que as atividades da inteligência russa têm sido cada vez mais agressivas; disseram a repórteres autoridades graduadas do governo norte-americano, falando sob condição de anonimato.

Embaixador russo nos EUA

O embaixador da Rússia em Washington, Anatoly Antonov, disse nesta segunda-feira; que a decisão dos Estados Unidos de expulsar diplomatas russos foi “equivocada”; e está destruindo o pouco que resta dos laços entre EUA e Rússia; relatou a agência de notícias russa RIA.

Comentando sobre possível retaliação da Rússia, Antonov disse; que a resposta de Moscou será proporcional e que os Estados Unidos só entendem força; ainda segundo a agência.

Também nesta segunda-feira, o senador russo Vladimir Dzhabarov disse; que a Rússia irá expulsar 60 membros de missões diplomáticas dos Estados Unidos em resposta à expulsão de russos pelos EUA, segundo a RIA.

Os Estados Unidos e 14 países da União Europeia anunciaram mais cedo nesta segunda-feira; que expulsaram diplomatas russos devido a um ataque com uso de agente nervoso contra um ex-espisão russo no Reino Unido; ocorrido no início deste mês.

Número de transgêneros nas forças armadas

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou um memorando que limita a presença de pessoas transgênero nas Forças Armadas.

Segundo comunicado da Casa Branca, manter soldados que exigem um “substancial tratamento médico” representa um “risco considerável para a eficácia” militar do país. No entanto o presidente deu ao Pentágono a prerrogativa de aceitar exceções em “circunstâncias excepcionais”.

Em agosto de 2017, Trump havia pegado o Departamento de Defesa de surpresa ao revogar a decisão de seu antecessor, Barack Obama, que permitia o alistamento de transgêneros. Contudo, sentenças da Justiça Federal bloquearam a medida do republicano.

Cirurgia

Por conta disso, pessoas transgênero puderam se inscrever no alistamento iniciado em 1º de janeiro de 2018; quando entrou em vigor a norma de Obama. Ainda assim, candidatos que querem ou já mudaram de sexo não devem ser permitidos nas Forças Armadas.

Já aqueles que se identificam com outro gênero, mas não pretendem realizar a cirurgia, devem ser autorizados. A Casa Branca alega que o Pentágono não pode arcar com os “enormes custos médicos” relativos à mudança de sexo.

Além disso, transgêneros que já fazem parte das Forças Armadas continuarão em seus postos; mas o Departamento de Defesa pode exigir que eles sirvam de acordo com seu sexo de nascimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *