Turquia alerta que tropas da Síria em Afrin sofrerão consequências graves

Arquivado em: Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018 as 10:01, por: CdB

A Turquia e seus aliados rebeldes sírios lançaram uma operação militar no mês passado para expulsar combatentes da milícia curda YPG de Afrin

Por Redação, com Reuters – de Ancara:

A Turquia alertou nesta quarta-feira que forças pró-Síria que estão entrando em Afrin, no noroeste sírio, para apoiar uma milícia curda sofrerão “consequências graves” e serão vistas como alvos legítimos.

Combatentes apoiados pela Turquia reagem perto da cidade de Afrin, na Síria

Um comboio de cerca de 40 a 50 veículos transportando forças do governo sírio tentou entrar em Afrin na terça-feira; mas recuou diante do fogo de artilharia de forças turcas em operação na região; segundo o porta-voz do presidente da Turquia, Tayyip Erdogan.

– Qualquer passo do regime ou outros elementos nesta direção certamente terá consequências sérias – disse o porta-voz Ibrahim Kalin em entrevista coletiva.

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos, sediado no Reino Unido, disse que a ofensiva turca continuou de terça para quarta-feira; incluindo o bombardeio da principal cidade de Afrin. Na terça-feira, um comandante da aliança militar pró-Assad disse à Reuters que as forças recuaram diante dos disparos; mas que retomaram seu avanço e se encontram em Afrin.

Aliados

A Turquia e seus aliados rebeldes sírios lançaram uma operação militar no mês passado; para expulsar combatentes da milícia curda YPG de Afrin. Ancara afirma que a YPG é um grupo terrorista e uma extensão do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK); que mantém uma insurgência no sudeste turco há três décadas.

– Qualquer passo lá visando apoiar a… organização terrorista YPG significará que eles estão se alinhando diretamente a organizações terroristas; e por isso se tornarão alvos legítimos para nós – alertou Kalin.

O porta-voz disse ainda que a Turquia não está conversando diretamente com o governo da Síria, mas que suas mensagens estão sendo transmitidas indiretamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *