Turquia condena ex-correspondente por suposta propaganda terrorista

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 16 de julho de 2020 as 14:16, por: CdB

Jornalista turco-alemão é sentenciado a dois anos e nove meses, em caso que abalou relações entre Ancara e Berlim. Deniz Yücel já passou um ano em prisão preventiva considerada ilegal pelo Tribunal Constitucional turco.

Por Redação, com DW – de Istambul

Um tribunal em Istambul condenou nesta quinta-feira o jornalista Deniz Yücel, ex-correspondente na Turquia do jornal alemão Die Welt, a dois anos e nove meses de prisão, em um caso que abalou os laços entre Ancara e Berlim.

Jornalista Deniz Yücel foi condenado por suas reportagenes para o jornal
Jornalista Deniz Yücel foi condenado por suas reportagenes para o jornal “Die Welt”

Yücel, que mora na Alemanha desde fevereiro de 2018 e não compareceu ao anúncio da sentença, foi considerado culpado da acusação de fazer propaganda para o Partido Popular do Curdistão (PKK), que a Turquia, os EUA e a União Europeia consideram ser uma organização terrorista.

O jornalista, que tem cidadania alemã e turca, passou um ano na prisão na Turquia, após ser preso no dia 14 de fevereiro de 2017. A prisão desencadeou uma crise diplomática entre Berlim e Ancara antes da sua libertação e retorno à Alemanha.

A detenção ocorreu como parte de uma repressão maciça a suspeitos dissidentes após um golpe fracassado em 16 de julho de 2016.

Em junho passado, o Tribunal Constitucional da Turquia decidiu por unanimidade que a prisão preventiva de Yücel foi ilegal, citando violação de seus direitos e à liberdade de imprensa.

– Hoje, o tribunal ignorou o Tribunal Constitucional. Eles ignoraram nossa defesa e as leis – disse o advogado do jornalista, Veysel Ok, após o veredicto, acrescentando que ele vai apelar contra a decisão.

Acusações de incitação ao ódio

Yücel foi absolvido das acusações de incitação ao ódio e fazer propaganda para o clérigo islâmico Fethullah Gülen, radicado nos EUA e que Ancara acusa de ter planejando a tentativa de golpe fracassada de 2016.

Críticos do presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, dizem que o presidente usou a tentativa de golpe como pretexto para se livrar de adversários, incluindo muitos jornalistas, ativistas de direitos humanos e advogados.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code