Twitter promete combater teorias conspiratórias sobre coronavírus e 5G

Arquivado em: Destaque do Dia, Internet, Redes Sociais, Tablet & Celulares, Tecnologia, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 6 de maio de 2020 as 12:36, por: CdB

O Twitter disse nesta quarta-feira que vai combater a disseminação de teorias conspiratórias prejudiciais que ligam a tecnologia de telefonia móvel ao coronavírus, com um ‘prompt’.

Por Redação, com Reuters – de Londres/São Francisco

O Twitter disse nesta quarta-feira que vai combater a disseminação de teorias conspiratórias prejudiciais que ligam a tecnologia de telefonia móvel ao coronavírus, com um ‘prompt’ para direcionar as pessoas que procuram sobre 5G para informações verificadas pelo governo britânico.

O Twitter disse nesta quarta-feira que vai combater a disseminação de teorias conspiratórias
O Twitter disse nesta quarta-feira que vai combater a disseminação de teorias conspiratórias

A teoria, que se espalhou nas mídias sociais, resultou em ataques a antenas de telecomunicações móveis e abuso direcionado a engenheiros no Reino Unido. Cientistas, companhias telefônicas e o governo disseram que isso é completamente falso.

O Twitter disse que o prompt de pesquisa informaria aos usuários que o governo não havia visto nenhum vínculo entre o 5G e o covid-19, e incluiria um link para um site do governo com informações confiáveis, factuais e verificadas em relação ao 5G.

Katy Minshall, chefe de governo, políticas públicas e filantropia do Twitter, disse que a medida é o passo mais recente em seu foco em conectar pessoas com informações oficiais sobre o covid-19.

– Nossas parcerias ao longo desta pandemia nos permitiram tomar medidas proativas para levar às pessoas as informações mais relevantes e úteis para elas – disse.

Facebook e Google

O Facebook e o Google também tomaram medidas para combater a desinformação sobre o covid-19 em suas plataformas, no entanto, as empresas de mídia social foram criticadas por não fazerem o suficiente para combater a desinformação.

Representantes dos três foram questionados por legisladores na quinta-feira passada sobre as medidas que haviam tomado.

O presidente do comitê de mídia e digital do parlamento, Julian Knight, disse que a posição que eles adotaram foi “profundamente inútil e falhou em esclarecer o que estão fazendo para enfrentar a ameaça representada por níveis recordes de desinformação e desinformação online sobre o covid-19, algumas delas mortais”.

O Facebook removeu recentemente a página oficial do teórico britânico da conspiração David Icke, que promoveu a teoria 5G, por violar suas políticas de desinformação prejudicial.

O Google encerrou o canal do Icke no YouTube pelo mesmo motivo.

Respostas ofensivas

O Twitter irá testar uma ferramenta de envio aos usuários de notificação quando eles responderem a um tuíte usando “linguagem ofensiva”, em um esforço para moderar as conversas na plataforma de mídia social, disse a empresa na terça-feira.

Quando os usuários clicam em “enviar” em sua resposta, eles serão informados que as palavras no tuíte são semelhantes às usadas em publicações denunciadas como ofensivas e serão questionados se gostariam de revisá-lo ou não.

Há muito tempo que o Twitter está sob pressão para eliminar conteúdo abusivo de sua plataforma, que é policiada por usuários que denunciam tuítes ofensivos e por tecnologia automática.

– Estamos tentando incentivar as pessoas a repensarem seu comportamento e repensarem sua linguagem antes de publicarem, porque geralmente estão no calor do momento e podem acabar dizendo algo que vão se arrepender depois – disse Sunita Saligram, chefe global de política do Twitter na área de confiança e segurança.

As políticas do Twitter não permitem que os usuários ataquem indivíduos com insultos racistas ou sexistas ou conteúdo degradante.

O Twitter disse que o teste, o primeiro do tipo para a empresa, começará na terça-feira e durará pelo menos algumas semanas. Ele será realizado globalmente, mas apenas vai ser aplicado sobre tuítes em inglês.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *