UE acusa Rússia de concentrar militares na fronteira com a Ucrânia

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 19 de abril de 2021 as 12:40, por: CdB

O alto representante europeu para a Política Externa, Josep Borrell, acusou nesta segunda-feira a Rússia de transferir milhares de soldados e equipamentos militares para a área de fronteira com a Ucrânia, aumentando a tensão já bastante alta na região.

Por Redação, com ANSA – de Bruxelas

O alto representante europeu para a Política Externa, Josep Borrell, acusou nesta segunda-feira a Rússia de transferir milhares de soldados e equipamentos militares para a área de fronteira com a Ucrânia, aumentando a tensão já bastante alta na região.

UE acusa Rússia de concentrar militares na fronteira ucraniana

– A situação na fronteira ucraniana é muito preocupante. A Rússia está continuando a transferir todo tipo de material militar, incluindo hospitais de campanha, e concentrou mais de 150 mil soldados, o mais alto destacamento do exército russo nas fronteiras ucranianas na história. O risco de um novo aumento é evidente – destacou o chefe da diplomacia.

Destacando ainda “seu forte apoio” a Kiev, Borrell voltou a fazer um apelo para que Moscou “cesse as transferências militares” e “diminua a tensão” na região. “As relações com a Rússia não melhoraram e a tensão aumentou”, pontuou ainda.

A crise voltou a aumentar com pequenos incidentes ao longo dos últimos meses nas áreas separatistas do Donbass, após um período de relativa calma após a assinatura do Tratado de Minsk. O pacto foi firmado com a intermediação de Alemanha e França, que tem se reunido com o governo de Kiev para tentar dar uma solução pacífica à crise.

Apesar de negar publicamente, Moscou ajuda os rebeldes com o fornecimento de equipamentos militares e logística para que o combate, iniciado em 2014, não cesse. Na última semana, o governo russo afirmou que movimenta suas tropas “para onde quiser” no território do país e que isso não significa uma guerra.

Mas, alertou que se os ucranianos quiserem se aliar à União Europeia ou à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) há o risco do país sofrer “danos irreversíveis para a manutenção do Estado ucraniano”.

Diplomata expulso

A Ucrânia anunciou nesta segunda-feira a expulsão de um diplomata russo, declarado “persona non grata” em resposta à expulsão de um diplomata do país da Rússia.

– O Ministério das Relações Exteriores enviou hoje uma nota em que declara um conselheiro da embaixada russa em Kiev ‘persona non grata’. Tem 72 horas para deixar o território do nosso país – disse o porta-voz da pasta, Oleg Nikolenko, à agência AFP.