Um estilo de vários estilos

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado quinta-feira, 18 de novembro de 2004 as 11:28, por: CdB

Os rumos que a badalada Hemp Family tomou não poderiam ser mais ricos. B Negão lançou um ótimo disco com os Seletores de Freqüência no final do ano passado. D2 brilha em uma carreira solo bem sucedida. O Rappa entrou para o primeiro time dos artistas fonográficos brasileiros. Marcelo Yuka montou uma nova banda que deve estar lançando seu disco de estréia nos próximos meses. E quem também faz sua estréia na carreira solo é Gustavo Black Alien, o menos celebrado vocalista que passou pelo Planet Hemp e, sem dúvida, o mais esperado. Babylon By Gus – Vol. 1 – O ano do macaco, lançado pela Deckdisc é um dos maiores discos do ano.
 
As bifurcações que o rap, ou hip-hop, tiveram no Brasil são bastante peculiares. D2 instaurou a mistura do rap com o samba. Os Racionais e um bom número de MCs de São Paulo imprimiram um jeito mais próximo ao gangsta rap. B Negão busca uma linha mais cabeça, com influencias político-filosóficas. Outros menos divulgados como Speed e De Leve optaram por uma certa abstração, tendo um desempenho um tanto niilista, sem objetivos bem delineados.
 
Em Babylon, Black Alien acaba reunindo todas essas fórmulas. Músicas como Estilo do gueto e Primeiro de dezembro são uma referência clara ao gangsta rap (na primeira o rapper até canta com a voz mais grave). Como eu te quero e Perícia na delícia fazem parte de uma parte mais leve, descontraída (porque rap não é só protesto e diferença de classes). América 21 e From Hell do Céu falam sobre o mundo enquanto Mister Niterói, Babylon by Gus e Caminhos do destino são mais locais.
 
Com o disco, Gustavo Black Alien faz uma estréia fantástica e deve ser considerado como um dos maiores nomes da música brasileira de hoje. O instrumental, muito competente, é assinado pelo produtor e multi-instrumentista Alexandre Basa