Um governo sem apreço pela população e mergulhado na escuridão

Arquivado em: Opinião, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 30 de abril de 2021 as 09:38, por: CdB

Se ainda restava alguma dúvida sobre a pertinência de se instalar uma Comissão Parlamentar de Inquérito em meio a uma pandemia que já alcança quase 400 mil mortes apenas no Brasil, as imagens e os áudios que vieram a público dos ministros da Economia, da Casa Civil e da Saúde, em reunião interna do governo, comprovam a necessidade das investigações.

Por Wadson Ribeiro – de Brasília

Se ainda restava alguma dúvida sobre a pertinência de se instalar uma Comissão Parlamentar de Inquérito em meio a uma pandemia que já alcança quase 400 mil mortes apenas no Brasil, as imagens e os áudios que vieram a público dos ministros da Economia, da Casa Civil e da Saúde, em reunião interna do governo, comprovam a necessidade das investigações. Os diálogos, revelam um governo movido por fakenews, negacionismos e completamente desorientado frente ao caos sanitário em que o país se encontra.

Jair Bolsonaro

O ministro da Economia Paulo Guedes, que nesse momento deveria estar preocupado com medidas que pudessem fazer o Brasil sair da crise econômica, combatendo o desemprego galopante, a quebradeira de empresas e o aumento da pobreza, aparece na reunião propagando mentiras e difamando a China. Primeiramente, a vacina da Pfizer não foi desenvolvida pelos norte-americanos, como quis crer o ministro, mas sim por cientistas alemães de origem turca. Em segundo lugar, própria Organização Mundial da Saúde reconhece que o vírus não foi criado em laboratório, nem tampouco foi criado pela China. Essas são notícias falsas e que não condizem com que se espera de um ministro de Estado em reuniões governamentais.

A CPI tem que investigar esse tipo de postura, que isolou o Brasil perante ao mundo e ideologizou o combate à pandemia. É inacreditável, mas Guedes disse que a China fabricou o vírus e ao mesmo tempo uma vacina fraca para combatê-lo, reproduzindo o discurso de ódio que os grupos bolsonaristas de WhatsApp propagam.

Na mesma reunião, o ministro da Casa Civil, Braga Neto, admite que tomou a vacina escondido e que tem tentado, sistematicamente, convencer o presidente a também tomar a primeira dose. Ora, o ministro não tinha razões para ter tomado a vacina escondido, pois ele se enquadrava nos critérios etários para a imunização naquele momento, no entanto, o fez dessa forma devido a linha política de orientação do governo contra a vacinação. Do mesmo modo, é muito grave o presidente não ter se vacinado até agora e precisar ser “convencido” pelo ministro. Braga Neto ofereceu um prato cheio à CPI com as declarações que foram reveladas. O presidente de fato é contra a vacina e por isso conduziu de forma negacionista as medidas contra a pandemia, tanto é verdade que não se vacinou até agora, diferentemente de chefes de Estado de outras partes do mundo. Braga Neto não se porta como um ministro da Casa Civil com a atribuição de coordenar a gestão do governo, mas sim como um despachante de luxo de Bolsonaro.

Desorientação do governo

Além da completa desorientação do governo frente a pandemia, a reunião revela também um ministério da Saúde sem apreço pela vida da população. O quarto ministro da Saúde do governo Bolsonaro, em linhas gerais, segue as políticas de seu antecessor, o general Eduardo Pazuello. Em março, Marcelo Queiroga autorizou que todas as vacinas armazenadas pelos estados e municípios para garantir a 2ª dose fossem utilizadas imediatamente como 1ª dose. O que vemos  agora é uma série de municípios dos estados AL, AP, SP, PE, RN E PB, paralisarem a imunização da 2ª dose por falta de vacinas. Aliás, o ministro da Saúde deveria lembrar ao ministro Paulo Guedes que a paralisação tem se dado por atrasos de insumos vindos da China para o Butantã. É papel da CPI apurar as razões desses atrasos nas primeiras e nas segundas doses da vacina, bem como, se outros problemas na esfera diplomática e comercial estão afetando esses atrasos, o que seria mais uma comprovação da desastrosa gestão do governo federal.

Os áudios e os vídeos que vasam ou são vazados das reuniões governamentais, são até aqui o que melhor exprimem os objetos, a orientações políticas, a visão de país, enfim, a alma desse governo. Um governo sem apreço à vida dos brasileiros, com baixa capacidade política e técnica, e completamente perdido na escuridão do combate à ciência.

 

Wadson Ribeiro, é presidente do PCdoB-MG, foi presidente da UNE, da UJS e secretário de Estado.

As opiniões aqui expostas não representam necessariamente a opinião do Correio do Brasil