Um íncubo chamado Brasil

Arquivado em: Opinião, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 4 de dezembro de 2020 as 10:08, por: CdB

Não foi um pesadelo. Foi a mera constatação da realidade na última semana. De fato, como já havia bem observado pelo meu ilustre colega, o poeta Carlos Drummond de Andrade, um “pesadelo é a realidade sem censura”.

Por António Paixão – de Brasília

Não foi um pesadelo. Foi a mera constatação da realidade na última semana. De fato, como já havia bem observado pelo meu ilustre colega, o poeta Carlos Drummond de Andrade, um “pesadelo é a realidade sem censura”. De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o número de brasileiros na pobreza chegou a 47.4 milhões e daqueles na miséria extrema a 9.2 milhões, com a redução do auxílio emergencial de R$ 600,00 para R$ 300,00, a partir de setembro de 2020.

O indigente mental que se apresenta como presidente de nossa infeliz República apressou-se a declarar que não iria estender a referida ajuda
O indigente mental que se apresenta como presidente de nossa infeliz República apressou-se a declarar que não iria estender a referida ajuda

O indigente mental que se apresenta como presidente de nossa infeliz República apressou-se a declarar que não iria estender a referida ajuda. Até o insuspeito Fundo Monetário Internacional (FMI) foi contra. Porém, os mercados reagiram positivamente à fala do Satã, com a valorização do Real em 2.24% e a subida do Ibovespa em 2.3%, no dia 1 de dezembro de 2020, numa cabal demonstração do descompromisso do capitalismo com as condições de vida do povo. No Brasil, onde o incremento da miséria gera o otimismo dos mercados, o capitalismo fascista conseguiu superar a sua histórica insensibilidade social.

Por outro lado, observou-se um recrudescimento das infecções pelo covid-19. Em vista do segundo turno das urnas municipais, que infringiram uma fragorosa derrota aos candidatos do abominável Mefistófeles caipira, o governo estadual de São Paulo, chefiado por crápula assemelhado, omitiu as estatísticas respectivas e manteve o Estado com medidas de segurança incompatíveis com a realidade, o que impulsionou as infecções a patamares elevadíssimos. No dia posterior às eleições, novas medidas de restrição foram impostas à população. O desinteresse pela saúde pública parece ser a linha mestra prevalecente no Brasil.

Para não ficar atrás, o governo federal deixou caducar milhões de testes para a covid-19, por não acreditar em sua utilização para o combate à pandemia (sic). Além de adotar posições ideológicas a respeito de determinadas vacinas e, mesmo, de questionar sua validade horizontalmente, o desgoverno mefistofélico não apresentou ainda um plano concreto de vacinação da população, ao contrário de outros países. Não obstante, o suposto ministério da saúde (?) já declarou não haver previsão de vacina para todos, o que assegura a continuidade do pesadelo da pandemia. O próprio Capetão Mefistófeles invectivou através da mídia social que não pretende se submeter à indignidade da vacina.

Desmate na Amazônia

Ao mesmo tempo, o desmate na Amazônia voltou a bater recorde, com um crescimento de 9.5% entre agosto de 2019 a julho de 2020. No total foram derrubados 11.088 quilómetros quadrados de floresta, a maior área a ser desmatada na última década e um volume muitas vezes superior aos limites assumidos pelo Brasil nos foros internacionais. O infame Mefistófeles já havia atribuído a culpa dos crimes ambientais aos países estrangeiros, sem se esquecer da China, naturalmente. Por lapso, evidentemente, Cuba foi omitida. Ele havia prometido revelar os responsáveis forâneos, mas deixou de fazê-lo provavelmente pelo falecimento de Maradona e de Fidel, no mesmo dia e mês, quatro anos antes, ambos igualmente suspeitos.

Por sua vez, o Belzebu Júnior, um diabrete alucinado, insolente e delirante, denunciou a China, o maior parceiro comercial e investidor no Brasil de tentativa de espionagem com a tecnologia 5-G, absolutamente sem fundamentos, apenas para continuar cega e estupidamente seguindo o Diabo do Norte, já flagrantemente derrotado nas eleições dos EUA. Anteriormente, Belzebu Júnior já havia acusado a China de responsável pelo vírus da covid-19 e se posicionado contra uma vacina de origem daquele país, que está a ser produzida no Brasil em parceria com o internacionalmente respeitado Instituto Butantan, de São Paulo.

Sergio Moro

Não bastasse o desalentador elenco acima, o juiz Sergio Moro, infame trampista e responsável por diversos crimes contra a administração da Justiça, além de outras ilegalidades cometidas enquanto agente da magistratura, e provavelmente também de potências estrangeiras, foi contemplado com um emprego de consultor jurídico. Pois bem, o maligno magistrado do Averno foi contratado por consultoria americana ligada à Odebrecht, empresa alvo e vítima de suas espúrias sentenças, juntamente com seus executivos. Nesta função o desmoralizado Moro, o rábula de Satanás, propõe-se a prestar consultorias com relação a crimes de colarinho branco, lavagem de dinheiro e crime organizado. O aconselhamento em tais áreas é ato privativo de advogado, profissão cuja deontologia proíbe o conflito de interesses, dentre outras ações viciadas, iníquas ou libertinas, conforme decidiu o Tribunal de Ética da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-SP) no caso específico, em 2.12.2020. Impõe-se a expulsão de tal funesta, aleivosa e imunda figura, agente do Mal e das Sombras, dos quadros da Entidade.

Enquanto o tétrico terraplanista, o Ribbentrop dos trópicos, também arruma conflito com a República Popular da China, ao invés de promover as boas relações do País com a comunidade internacional, de acordo com os nossos princípios constitucionais, o seu ministério das relações exteriores mantém desassistidos mais de 200 mil brasileiros em Portugal. Estes infelizes deixaram de ter assistência consular e não conseguem, ao menos, a renovação dos respectivos passaportes, o que é uma denegação de seus direitos civis mais básicos, em plena pandemia de covid-19. Os diplomatas brasileiros preferem beber o seu champanhe com caviar nos ricos palácios de sempre, ao invés de prestar o devido serviço público, como é sua obrigação.

Foi, enfim, necessária uma liminar do Supremo Tribunal Federal (STF) para suspender os efeitos de um decreto do tormentoso desgoverno federal com o objetivo de segregar os alunos com deficiência dos demais, em violação aos preceitos constitucionais brasileiros e tratados internacionais dos quais faz parte o Brasil. Hitler já havia feito o mesmo na Alemanha nazista, mas a “solução final” do Satanás de coturno parece ser mais ampla, já que abrange todo o povo brasileiro. Se não se trata de um pesadelo, como acordar desta monstruosa, horripilante e cruel realidade?

 

António Paixão, é jornalista desempregado, enólogo voluntário, humanista, inspirado poeta, comunista e corintiano.

As opiniões aqui expostas não representam necessariamente a opinião do Correio do Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code