União Europeia concorda em reduzir emissões em 55% 

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 11 de dezembro de 2020 as 10:24, por: CdB

Líderes do bloco dão aval a aumento da meta de redução das emissões de gases do efeito estufa, antes estipulada em 40%. Comissão Europeia prevê investimento adicional de 350 bilhões por ano em transição energética.

Por Redação, com DW – de Bruxelas

Os líderes da União Europeia (UE) concordaram nesta sexta-feira com o estabelecimento de uma ambiciosa meta de redução das emissões de gases de efeito estufa em pelo menos 55%, em comparação com os níveis de 1990, até 2030.

Ativistas defendem uma meta mais alta, de 65% de redução das emissões até 2030
Ativistas defendem uma meta mais alta, de 65% de redução das emissões até 2030

– A Europa reduzirá as emissões em pelo menos 55% até 2030. Isso nos coloca num caminho claro em direção à neutralidade climática em 2050 – escreveu a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, em sua conta no Twitter.

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, também elogiou o plano. “A Europa é líder na luta contra as mudanças climáticas”, escreveu Michel em seu Twitter.

O acordo foi selado após mais de 10 horas de negociações, que se estenderam do final da noite de quinta-feira até as primeiras horas desta sexta-feira. O aumento da meta de redução de 40% para 55% foi proposto pela Comissão Europeia em setembro e encontrou resistência de alguns Estados-membros da União Europeia.

Resistência dentro do bloco

A Polônia e outros países da Europa Central dependentes do carvão se recusavam a apoiar a medida porque queriam garantias de financiamento para custear a transição para a energia limpa. Estes países consideravam injusto que todos os Estados-membros devessem se submeter ao mesmo objetivo sem considerar suas respectivas dependências energéticas.

O primeiro-ministro da Polônia, Mateusz Morawiecki, postergou ao máximo seu consentimento visando obter mais promessas para a conversão energética de seu país. O dinheiro virá do orçamento da UE, o que só se tornou possível algumas horas antes por meio de um compromisso selado na cúpula da União Europeia com a Polônia e a Hungria em torno de uma questão paralela sobre o respeito ao Estado de direito.

A República Tcheca, por exemplo, continuará usando energia nuclear e quer que suas usinas nucleares sejam cofinanciadas pela UE.

Investimento bilionário

A Comissão Europeia estima que serão necessários 350 bilhões de euros em investimentos adicionais por ano para promover energias renováveis e a economia de energia. Os Estados-membros da UE concordaram que a nova meta de 55% deve ser cumprida coletivamente.

De acordo com o gabinete do primeiro-ministro belga, Alexander De Croo, “os líderes concordaram que os cortes serão alcançados primeiro em setores e países onde ainda há muito espaço para melhorias”.

A Comissão Europeia também levará em conta as situações nacionais específicas ao estabelecer as medidas. Apenas no decorrer do próximo ano, a Comissão apresentará um plano sobre qual Estado-membro deve contribuir com qual proporção para a nova meta de 55% e quem receberá qual quantidade de financiamento.

Pedidos por meta mais alta

A nova meta de emissões precisa ser aprovada pelo Parlamento Europeu, que vinha pressionando por uma meta um pouco mais alta. Associações de proteção climática e ativistas também defendem uma meta mais alta, de 65% de redução até 2030.

Na semana passada, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, anunciou uma meta ainda mais ambiciosa do que a da Comissão Europeia. Johnson deseja que o Reino Unido corte as emissões de gases estufa em pelo menos 68% em relação aos níveis de 1990 até 2030.

Há cinco anos em Paris, os líderes mundiais concordaram em manter o aumento global da temperatura abaixo de 2 graus Celsius até o final do século. Segundo o Acordo de Paris, os países signatários são obrigados a apresentar metas climáticas atualizadas até o final de 2020.