União terá que indenizar mãe de militante torturado e morto pela ditadura

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 16 de setembro de 2021 as 14:43, por: CdB

Em sua decisão, o desembargador Johnsom di Salvo afirmou haver “prova abundante da causa da morte”, cometida por agentes da ditadura militar. Zanirato foi enterrado como indigente e a causa da morte seria suicídio, de acordo com o laudo do Instituto Médico Legal (IML) na época.

Por Redação, com Brasil de Fato – de Brasília

A mãe de Carlos Roberto Zanirato, que foi torturado e na sede do Departamento de Ordem Política e Social (Dops), em São Paulo, em 1969, deve ser indenizada em R$ 200 mil pela União. A decisão é do Tribunal Regional Federal da Terceira Região (TRF-III), na capital paulista.

Zanirato foi preso em 23 de junho 1969, quando tinha 20 anos, após desertar do Exército para integrar a Vanguarda Popular Revolucionária

Em sua decisão, o desembargador Johnsom di Salvo afirmou haver “prova abundante da causa da morte”, cometida por agentes da ditadura militar. Zanirato foi enterrado como indigente e a causa da morte seria suicídio, de acordo com o laudo do Instituto Médico Legal (IML) na época.

De acordo com o depoimento da mãe, de funcionários do Instituto Médico Legal (IML) e de outros presos do Dops, para simular o suicídio Zanirato teria sido barbaramente torturado e seu corpo jogado na frente de um ônibus, na avenida Celso Garcia, zona leste de São Paulo.

– O dano moral sofrido (pela mãe) é mais que evidente e justifica o recebimento de indenização por todo sofrimento e desgaste psíquico experimentado com o encarceramento de seu filho por motivação política no DOPS/SP, onde foi seviciado até a morte e depois descartado numa vala comum, sem qualquer identificação, de forma indigna e desrespeitosa – afirma di Salvo em sua decisão.

Militante

Zanirato foi preso em 23 de junho 1969, quando tinha 20 anos, após desertar do Exército para integrar a Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), liderada por Carlos Lamarca. O militante morreu após seis dias de tortura.

A tese do suicídio só foi derrubada após investigações feitas pela Comissão Especial de Mortos e Desaparecidos Políticos (CEMDP), que constatou que a sua morte ocorreu em decorrência de tortura.

Segundo relatório da Comissão da Verdade, durante os 20 anos de duração da ditadura no Brasil, 424 pessoas morreram ou desapareceram.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code