Unidades especiais da PM prosseguem com operação na Cidade de Deus

Arquivado em: Destaque do Dia, Polícia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 4 de maio de 2018 as 13:12, por: CdB

Não há informação sobre confrontos ou feridos. Segundo a Secretaria Municipal de Educação, as escolas da região estão funcionando parcialmente

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro:

A Polícia Militar continuou nesta sexta-feira a operação na Cidade de Deus para prender suspeitos de matar o capitão da PM Stefan Cruz Contreiras na quinta em Jacarepaguá, na zona oeste da cidade. Participam da ação homens dos batalhões de Choque, de Ações com Cães (BAC) e de Operações Especiais (Bope).

Unidades especiais da PM prosseguem com ação na Cidade de Deus

As ações para identificar e prender os suspeitos começaram no dia anterior, quando intensos tiroteios entre policiais e criminosos da região deixaram pelo menos quatro mortos. Segundo a Polícia Militar, as vítimas eram suspeitos que estavam em confronto com a polícia. Quatro pessoas também foram presas na operação.

Não há informação sobre confrontos ou feridos. Segundo a Secretaria Municipal de Educação, as escolas da região estão funcionando parcialmente. A maioria das unidades está em conselho de classe, atividade que já estava prevista em seus calendários.

Enfermeira acusada de tentar matar bebês

Uma enfermeira foi presa pela Polícia Civil do Rio de Janeiro; acusada de tentar matar três bebês. A profissional, de 41 anos, foi flagrada por câmeras de segurança em uma UTI neonatal; quando supostamente teria cortado cateteres que alimentavam recém-nascidos.

– Na apuração preliminar, observou-se que os recém-nascidos foram expostos aos riscos iminentes de hipoglicemia e de contraírem infecção de corrente sanguínea relacionada ao cateter, que levariam à morte – informou a Polícia Civil, em nota divulgada na quinta-feira.

A enfermeira foi presa na quarta, por policiais da Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima, comandada pela delegada Juliana Emerique.

– A investigação começou no início de fevereiro; por provocação do próprio hospital que, em sindicância interna; verificou ruptura manual do cateteres desses recém-nascidos. Para nossa surpresa, em uma das imagens; nós pudemos verificar que a enfermeira cortou um cateter de medicação de um recém-nascido. Então, verificamos que não foi um mero descuido”, disse a delegada Juliana.

A enfermeira responderá por tentativas de homicídio qualificado. A polícia continuará ouvindo novas testemunhas; para saber se ocorreram casos semelhantes em outros locais em que a enfermeira trabalhou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *