Vacina da Moderna é submetida a análise de especialistas nos EUA

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 17 de dezembro de 2020 as 14:20, por: CdB

Um comitê de especialistas externos da Agência de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA) deve endossar o uso emergencial da vacina contra coronavírus da Moderna durante uma reunião nesta quinta-feira, e o país se prepara para distribuir uma segunda vacina na luta contra a covid-19.

Por Redação, com Reuters  – de Washington

Um comitê de especialistas externos da Agência de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA) deve endossar o uso emergencial da vacina contra coronavírus da Moderna durante uma reunião nesta quinta-feira, e o país se prepara para distribuir uma segunda vacina na luta contra a covid-19.

Vacina contra coronavírus da Moderna é submetida a análise de especialistas nos EUA
Vacina contra coronavírus da Moderna é submetida a análise de especialistas nos EUA

A decisão, que avaliará se os benefícios da vacina superam seus riscos, deve sair pouco depois das 17h (horário de Brasília), e uma autorização final da FDA é esperada já para a sexta-feira.

Trata-se do mesmo comitê de especialistas que na semana passada aprovou a vacina contra Covid-19 da Pfizer e da parceira alemã BioNTech, o que abriu caminho para a autorização de uso emergencial da FDA um dia depois.

Esta primeira vacina está sendo distribuída em todo o país, e um programa de inoculação em massa começou nos hospitais norte-americanos na segunda-feira.

Tecnologia de RNA

A vacina da Moderna usa uma tecnologia de RNA mensageiro semelhante, mas com exigências de armazenagem a frio menos onerosas do que a da Pfizer/BioNTech, o que a torna uma opção melhor para áreas remotas e rurais. As duas vacinas mostraram cerca de 95% de eficácia na prevenção da doença em testes clínicos.

O comitê de aconselhamento da FDA provavelmente debaterá os relatos de efeitos colaterais do teste da Moderna com 30 mil pessoas, que foram mais frequentes do que os reportados pela Pfizer,  estes foram essencialmente reações de curta duração à vacinação, e não efeitos colaterais sérios.