Vaga na Suprema Corte dos EUA se torna grito de guerra em reta final da eleição 

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 22 de setembro de 2020 as 11:29, por: CdB

A campanha à reeleição do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, começou a vender camisetas com o slogan “Preencha Aquela Vaga”, e seu Partido Republicano está alardeando o presidente dos Estados Unidos como alguém que escolhe juristas do “Estado de Direito”.

Por Redação, com Reuters – Washington

A campanha à reeleição do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, começou a vender camisetas com o slogan “Preencha Aquela Vaga”, e seu Partido Republicano está alardeando o presidente dos Estados Unidos como alguém que escolhe juristas do “Estado de Direito”.

Imagem da juíza da Suprema Corte dos EUA Ruth Bader Ginsburg é projetada em prédio da Suprema Corte Civil do Estado de Nova York após a morte dela
Imagem da juíza da Suprema Corte dos EUA Ruth Bader Ginsburg é projetada em prédio da Suprema Corte Civil do Estado de Nova York após a morte dela

Já os democratas estão dizendo aos eleitores que a escolha de um membro conservador para o tribunal mais importante do país terá um impacto devastador em uma gama de questões sociais, incluindo o acesso à saúde e os direitos das mulheres.

A vaga surgida na Suprema Corte após a morte de Ruth Bader Ginsburg na sexta-feira se tornou um grito de guerra para as eleições de novembro, já que a perspectiva de uma maioria conservadora de 6 a 3 está impulsionando os eleitores em uma disputa já tensionada por divisões.

Vendo poucas opções para impedir Trump de indicar um substituto para Ginsburg até sábado e um cronograma nebuloso para reações legislativas quando ou se uma votação para a corte ocorrer antes de 3 de novembro, os democratas disseram que usarão a questão para mobilizar seus apoiadores.

– Incentivaremos o povo norte-americano a se unir a nós nesta luta apontando as consequências danosas de se preencher a corte de ideólogos de direita – disse o senador democrata Chris Van Hollen, de Maryland.

Um estrategista democrata veterano do Estado de Wisconsin, um dos mais importantes na disputa eleitoral dos EUA, disse que uma mensagem central aos eleitores locais será que, independentemente do que acontecer com a vaga de Ginsburg, eles precisam escolher democratas de uma ponta a outra das cédulas se quiserem proteger a Lei de Cuidados Acessíveis, também conhecida como Obamacare.

A Suprema Corte deve ouvir argumentações de uma ação civil liderada por republicanos que visa descartar a legislação uma semana antes da eleição de 3 de novembro, inclusive cláusulas que garantem cobertura a pessoas com doenças preexistentes.

Voluntários democratas

Voluntários democratas passaram o final de semana no telefone fazendo um apelo para que os eleitores a enviem seus votos pelo correio de imediato, disse o estrategista, que pediu anonimato para poder falar abertamente sobre a estratégia do partido e a aplicação de suas táticas.

Desde o anúncio da morte de Ginsburg, doadores democratas deram mais de 100 milhões de dólares a candidatos e grupos ligados ao partido através da ActBlue, uma plataforma digital de arrecadação usada pelo partido.

Já os assessores de Trump estão satisfeitos de ver o foco da eleição se desviar, ao menos temporariamente, da reação do presidente ao coronavírus para a Suprema Corte, de acordo com fontes de dentro e de fora da Casa Branca.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *