Valas comuns de visons podem ter contaminado água na Dinamarca

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 10 de dezembro de 2020 as 13:44, por: CdB

Cadáveres de visons em estado de decomposição enterrados em valas coletivas na Dinamarca após um abate nacional podem ter contaminado a água subterrânea, noticiou a Radio4 local nesta quinta-feira, citando um relatório de uma agência do governo.

Por Redação, com Reuters – de Copenhague

Cadáveres de visons em estado de decomposição enterrados em valas coletivas na Dinamarca após um abate nacional podem ter contaminado a água subterrânea, noticiou a Radio4 local nesta quinta-feira, citando um relatório de uma agência do governo.

Área militar na Dinamarca onde foram enterrados visons sacrificados
Área militar na Dinamarca onde foram enterrados visons sacrificados

O governo dinamarquês ordenou o abate de cerca de 17 milhões de visons no início de novembro depois que surtos de coronavírus atingiram vários criadouros e as autoridades encontraram linhagens do vírus que sofreram mutações entre pessoas.

O desafio logístico de descartar um número tão grande de animais mortos levou as autoridades a enterrar parte dos visons em valas de uma área militar no oeste do país sob dois metros de terra.

Mais tarde, o governo disse que queria voltar a enterrá-los porque alguns ressurgiram das valas coletivas – muito provavelmente os gases do processo de decomposição os empurraram para fora da terra, o que lhes rendeu o apelido de “visons zumbis” nos jornais.

Água subterrânea da área

O novo estudo diz que a água subterrânea da área já pode ter sido contaminada e exorta as autoridades a agirem com rapidez, noticiou a Radio4.

O relatório foi encomendado pela Agência Dinamarquesa de Proteção Ambiental no final de novembro e preparado pela Vigilância Geológica da Dinamarca e da Groenlândia e a Universidade Técnica da Dinamarca, segundo a rádio.

A Agência Dinamarquesa de Proteção Ambiental, que não respondeu de imediato a um pedido de comentário da Reuters, está realizando exames adicionais para verificar o impacto ambiental das valas coletivas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code