‘Vamos revelar a verdade sobre armas do Iraque’

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado quinta-feira, 5 de junho de 2003 as 09:10, por: CdB

O presidente americano, George W. Bush, afirmou nesta quinta-feira, no Qatar, que os Estados Unidos vão continuar a procurar armas de destruição em massa no Iraque. “Vamos revelar a verdade”, disse.

Em discurso na manhã desta quinta-feira, na base militar americana no Catar, Bush agradeceu a hospitalidade com que as tropas americanas e seus aliados foram recebidas pelo país.

– Nós estamos em uma guerra contra o terrorismo global e, graças a vocês, estamos ganhando esta guerra – disse Bush, aplaudido por cerca de 2,5 mil militares.

O presidente americano também agradeceu ao Kuwait, dizendo que o país sempre atendeu aos pedidos americanos e manteve o fluxo de petróleo durante a guerra, quando, segundo Bush, muitos temiam que a produção estivesse ameaçada.

O Qatar, um aliado-chave dos Estados Unidos no Oriente Médio, é a última etapa da viagem de Bush pela região.

Ele é o primeiro presidente dos Estados Unidos a visitar o país, que se tornou um ponto importante para os militares americanos.

Além de ter se tornado o maior depósito de armas dos Estados Unidos na região, o Qatar também tem atraído milhões de dólares em investimentos americanos.

Na noite de quarta-feira, Bush recebeu as boas-vindas do general Tommy Franks, comandante dos Estados Unidos na guerra contra o Iraque. O Comando Central americano foi transferido da Arábia Saudita para a base aérea de Al-Udeid, no Qatar.

O país já se mostrou disposto a desempenhar um papel importante na mediação de conflitos na região e a construir laços políticos e econômicos – mas não laços diplomáticos formais – com Israel.

Antes de encerrar a viagem pela região, o presidente americano também conversaria com o emir Hamad bin Khalifa Al-Thani sobre o processo de paz entre israelenses e palestinos.

O plano de paz para a região, apoiado por Estados Unidos, Rússia, ONU e União Européia, ganhou força depois do encontro de cúpula entre Bush e os primeiros ministros israelense, Ariel Sharon, e palestino, Mahmoud Abbas – também conhecido como Abu Mazen – na quarta-feira.