Varejo experimenta outro pior fim de ano, diante forte crise econômica

Arquivado em: Comércio, Indústria, Negócios, Serviços, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 11 de janeiro de 2021 as 16:28, por: CdB

No fim de semana entre os dias 18 e 20 do último mês de 2020, o recuo foi de 5,6% na comparação com os dias 20 a 22 do mesmo mês do ano anterior. Segundo a entidade, este é o pior desempenho já registrado na série histórica, iniciada em 2003.

Por Redação – de São Paulo

Diante da crise financeira no país, acentuada com o fim do auxílio emergencial liberado durante a pandemia, as vendas no varejo físico na capital paulista caíram 10,3% entre os dias 18 e 24 de dezembro de 2020 na comparação com o mesmo período de 2019. Os números constam do Indicador de Atividade do Comércio-Natal, da empresa Serasa Experian, que analisa o comportamento do consumo.

Com o avanço da pandemia, as vendas no varejo tendem a cair ainda mais, preveem analistas
Com o avanço da pandemia, as vendas no varejo tendem a cair ainda mais, preveem analistas

No fim de semana entre os dias 18 e 20 do último mês de 2020, o recuo foi de 5,6% na comparação com os dias 20 a 22 do mesmo mês do ano anterior. Segundo a entidade, este é o pior desempenho já registrado na série histórica, iniciada em 2003.

“O surgimento de uma segunda onda de contaminação da covid-19, que aqui no Brasil se intensificou a partir da segunda metade de novembro, avançando por todo o mês de dezembro, afugentou o consumidor das lojas”, diz a Serasa.

Segundo ela, além disso parte das vendas de Natal acabou sendo antecipada na Black Friday, em novembro, quando houve alta de 6,1% em 2020, algo considerado razoável pela entidade.

Desempenho

No ano passado, o varejo experimentou o mais fraco desempenho de fim de ano desde 2015 e 2016, quando a recessão fez o setor encolher cerca de 7% no Natal. Associações amargaram números para dezembro abaixo do verificado em anos anteriores, reflexo do encolhimento do auxílio emergencial e de uma nova onda de fechamento de lojas e de reduções de horário de funcionamento do comércio no país.

Grandes varejistas, nesse início de ano, abriram a temporada de liquidações com descontos de até 80%. O Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA) mostrou, recentemente, a queda de 1,8% nas vendas em lojas físicas e no comércio eletrônico no período de 19 a 25 de dezembro em relação ao mesmo intervalo de 2019.

Setores

No varejo on-line, que equivale a cerca de 10% do varejo total, a alta foi de 15,5% sobre 2019. A associação de lojistas de médio e pequeno portes que operam em shopping centers (Ablos), já estimava a queda, em dezembro, entre 10% e 35% nas vendas de produtos como vestuário, calçados, acessórios, itens de perfumaria e ótica, além do setor de serviços.

Os maiores recuos no varejo situam-se em Moda e Calçados (25% a 28%). Em lojistas da área de serviços (cabelereiro, manicure, consertos de produtos), a queda varia de 30% a 35%. Há projeção de alta nas vendas em apenas dois segmentos: artigos para o lar (12% a 15%) e joalheria (5% a 6%).