Varejo: vendas crescem 3,6% em setembro no Brasil

Arquivado em: Negócios, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 15 de outubro de 2019 as 10:52, por: CdB

Em termos nominais, que espelham a receita de vendas observadas pelo varejista, o ICVA teve alta de 5,8%.

Por Redação, com Reuters – de São Paulo

As vendas no varejo brasileiro cresceram 3,6% em setembro em relação ao mesmo período do ano passado, descontada a inflação, conforme o Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA), que acompanha 1,4 milhão de pontos de vendas ativos credenciados à empresa de meios de pagamentos no país.

Em termos nominais, que espelham a receita de vendas observadas pelo varejista, o ICVA teve alta de 5,8%
Em termos nominais, que espelham a receita de vendas observadas pelo varejista, o ICVA teve alta de 5,8%

Em termos nominais, que espelham a receita de vendas observadas pelo varejista, o ICVA teve alta de 5,8%.

Segundo a Cielo, o resultado do mês foi impulsionado na comparação com setembro do ano passado em razão da realização, pela primeira vez, da ‘Semana do Brasil’. O evento – organizado pelo governo e que contou com a adesão de várias empresas varejistas – respondeu por 30% da aceleração das vendas de agosto para setembro, disse na nota.

“O resultado de setembro seria ainda melhor não fosse a troca de um sábado, dia forte de vendas, por uma segunda-feira”, afirmou o diretor de Inteligência da Cielo, Gabriel Mariotto, na nota. Segundo ele, não se deve esperar o mesmo ritmo de crescimento em outubro porque eventos como a Semana do Brasil não ocorrem todos os meses.

Leve alta em julho

O volume de vendas do comércio varejista brasileiro cresceu 0,1% na passagem de julho para agosto. De acordo com a Pesquisa Mensal de Comércio (PMC)pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), essa foi a terceira alta consecutiva do indicador, que acumula crescimento de 1,2% no período.

O varejo teve altas de 0,4% na média móvel trimestral, de 1,3% na comparação com agosto do ano passado, 1,2% no acumulado do ano e 1,4% no acumulado de 12 meses.

Na passagem de julho para agosto, quatro dos oito segmentos pesquisados tiveram alta: hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (0,6%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (0,2%), equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (3,8%) e livros, jornais, revistas e papelaria (0,2%).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *