Venezuela é vítima de agressão múltipla dos EUA, diz vice-presidente 

Arquivado em: América do Norte, América Latina, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 1 de março de 2019 as 11:00, por: CdB

A vice-presidente indicou também que o líder venezuelano, Nicolás Maduro, e o povo bolivariano agradecem à Rússia pelo apoio prestado.

Por Redação, com Sputnik – de Caracas

A Venezuela se tornou vítima da agressão múltipla dos EUA, afirmou nesta sexta-feira a vice-presidente venezuelana, Delcy Rodríguez.

Caracas é vítima de agressão múltipla dos EUA, diz vice-presidente venezuelana

– Hoje em dia, a Venezuela está vivendo um período especial ao se tornar vítima da agressão múltipla por parte dos Estados Unidos da América – declarou Rodríguez antes das conversações com o chanceler russo, Sergei Lavrov.

– Mas vemos nisso traços positivos. É um bom momento para encontrar novos caminhos de colaboração levando em conta a situação geopolítica atual. A situação apela para consolidação de todos os países que defendem o direito internacional e legitimidade, os países que defendem o direito sagrado de nossos povos à soberania e à independência – acrescentou.

Ela apontou que a Venezuela propõe uma nova agenda, que visa consolidar e desenvolver ainda mais as relações entre Moscou e Caracas.

A vice-presidente indicou também que o líder venezuelano, Nicolás Maduro, e o povo bolivariano agradecem à Rússia pelo apoio prestado.

– Para nós((delegação), é uma grande honra e alegria estar hoje aqui, na Rússia, junto com que nós estamos lutando pelo futuro de toda a humanidade (…) Gostaria de entregar as palavras de gratidão do nosso presidente Nicolás Maduro, e de todo o povo venezuelano pelo apoio que a Rússia nos presta”, agradeceu a vice-presidente.

A situação na Venezuela, que está em fase aguçada desde 23 de janeiro, com autoproclamação do líder da oposição Juan Guaidó como o presidente interino do país, foi marcada por violentos confrontos em 23 de fevereiro, devido às tentativas da oposição de entrega de ajuda humanitária, organizada pelos EUA, e rechaçada categoricamente pelo presidente venezuelano, Nicolás Maduro, que acredita que a ajuda humanitária é utilizada como pretexto para iniciar agressão contra seu país.

Escritório da petroleira PDVSA em Lisboa

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, ordenou fechamento do escritório da gigante estatal petroleira PDVSA em Lisboa e transferência dele para Moscou, afirmou nesta sexta-feira a vice-presidente venezuelana, Delcy Rodríguez, durante visita à capital russa.

– O presidente Nicolás Maduro instruiu que o escritório de Petróleos da Venezuela ([PDVSA) na Europa, que se encontra em Lisboa, seja mudado e transferido para Moscou para consolidar nossa cooperação ) disse Rodríguez durante a coletiva de imprensa junto com o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov.

– A Europa não nos dá garantias necessárias, já que o mundo capitalista viola as próprias leis. Eles não são capazes de garantir a segurança de nossos ativos – indicou a vice-presidente.

No início de fevereiro, o Novo Banco de Portugal suspendeu transferência de verbas do governo venezuelano para bancos no Uruguai.

No dia 28 de janeiro, Washington sancionou a petroleira venezuelana PDVSA, bloqueando US$ 7 bilhões em ativos da empresa. Além disso, segundo o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, outros US$ 11 bilhões devem constituir as rendas perdidas nas exportações da empresa em 2019.

Em 2018, após as eleições presidenciais na Venezuela, a União Europeia sancionou vários funcionários venezuelanos por alegadas “violações de direitos humanos”. Com o agravamento da situação no país sul-americano, a UE não descartou a possibilidade de novas sanções contra as autoridades de Caracas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *