Para vice-presidente, general Mourão, voto impresso é caso encerrado

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 11 de agosto de 2021 as 17:15, por: CdB

O voto impresso, que se transformou na principal obsessão de Jair Bolsonaro, era peça central nas ameaças e nos ataques do presidente ao sistema eleitoral brasileiro e à realização do pleito de 2022. Na Câmara, foram 229 votos favoráveis à PEC, 218 contrários e uma abstenção.

Por Redação – de Brasília

O vice-presidente Hamilton Mourão classificou como “encerrado” o debate sobre o voto impresso, um dia depois de a Câmara dos Deputados rejeitar a PEC de autoria da bolsonarista Bia Kicis (PSL-DF).

Mourão
Mourão vem partindo para a ofensiva, desautorizando políticas e declarações da ala mais aloprada do governo Bolsonaro

“Acho que o assunto foi colocado, a própria Justiça Eleitoral acho que ela vai se esforçar para, dentro do processo que existe, dar mais publicidade e transparência. Acho que, no final das contas, saímos bem disso aí”, disse o general, nesta quarta-feira, ao chegar ao Palácio do Planalto.

— Assunto está encerrado. Congresso decidiu, está decidido — acrescentou Mourão.

O voto impresso, que se transformou na principal obsessão de Jair Bolsonaro, era peça central nas ameaças e nos ataques do presidente ao sistema eleitoral brasileiro e à realização do pleito de 2022. Na Câmara, foram 229 votos favoráveis à PEC, 218 contrários e uma abstenção. Para que a proposta fosse aprovada, precisava de ao menos 308 votos (3/5 dos deputados).

Impressora

Nesta quarta, apesar da derrota entre os deputados, Bolsonaro tornou a indicar que não aceitará o resultado das eleições do ano que vem.

— A gente não pode deixar que meia dúzia de funcionários, numa sala escura, conte os votos e decida as eleições — afirmou a apoiadores no ‘cercadinho’ do Palácio da Alvorada.

De acordo com o vice, “seria extremamente ridículo” caso a parada militar tivesse sido realizada com esse objetivo.

‘Ridículo’

Ao se referir aos veículos utilizados pela Marinha, ele sugeriu, em tom irônico, que a parada pode ter sido planejada pela Força “no intuito de receber maiores recursos para dar uma melhorada” no material bélico com o qual as Forças Armadas contam, em caso de algum conflito internacional.

— A Marinha quis fazer uma homenagem para o presidente, vejo dessa forma. Acho que estava marcado antes isso aí. Se fosse para ser colocado como uma forma de pressão no Congresso, seria extremamente ridículo. Então não vejo dessa forma — conclui Mourão, que não foi convidado para o desfile militar, na Esplanada dos Ministérios.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code