Victoria’s Secret, com modelo de mulher que agrada aos homens, perde em faturamento

Arquivado em: Comércio, Destaque do Dia, Indústria, Vida & Estilo
Publicado sábado, 17 de novembro de 2018 as 16:50, por: CdB

A Victoria’s Secret, empresa de lingerie que se apegou à idéia de que as mulheres devem parecer sexy para os homens, revela que suas vendas estão em queda.

 

Por Redação, com NYT – de Londres

 

As notícias desta semana de que Jan Singer, CEO da Victoria Secret Lingerie, estava deixando o cargo, depois de uma crise interna sobre observações transfóbicas feitas por outro executivo, foi apenas o mais recente evento negativo para uma marca que tem estado em constante declínio, há anos.

Desfile da Victoria's Secret não mudou muita coisa desde o seu início, ainda na década de 90 do século passado
Desfile da Victoria’s Secret não mudou muita coisa desde o seu início, ainda na década de 90 do século passado

O marketing da Victoria’s Secret tem se mostrado inconsistente. O desfile de moda da empresa este mês, completo com modelos magros, sutiãs push-up, calcinhas e saltos altos, foi uma cópia quase a carbono da primeira montada, em 1995, embora tivesse mais penas, lantejoulas e asas.

E sua adesão a essa visão de sexy não será comprometida. Nem por aqueles que classificam a marca como sexista, nem pelas novas start-ups de sutiãs que oferecem produtos destinados ao conforto e à facilidade; nem mesmo pelas mulheres que abandonam a Victoria’s Secret para comprar em outro lugar.

Fora de sintonia

A Victoria’s Secret ainda é a principal marca de lingerie dos EUA, mas sua participação no mercado está caindo rapidamente. As vendas caem e as ações da empresa declinaram 41% este ano. Em um estudo realizado em setembro de 2017 pelo banco Wells Fargo, 68% dos entrevistados disseram que gostavam menos da Victoria’s Secret do que costumavam e 60% disseram que a marca se sente “forçada” ou “falsa”.

— A Victoria’s Secret está perdendo participação para outras marcas porque está fora de sintonia. A forma como o marketing está fora de sintonia. As mulheres não querem ser vistas como supermodelos sexy estereotipadas que compram lingerie apenas para impressionar os homens — encerrou ao diário norte-americano New York Times o financista Paul Lejuez, analista de varejo do Citibank.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *