Vladimir Putin demite ministros dos Transportes e Meio Ambiente

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 9 de novembro de 2020 as 11:16, por: CdB

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, demitiu nesta segunda-feira os ministros dos Transportes, Evgeny Ditrich, e do Meio Ambiente, Dmitry Kobylkin. Além dos dois ministros, Vladimir Yakushev, ministro da Construção, Habitação e Serviços Públicos da Rússia, também foi demitido.

Por Redação, com Sputnik – de Moscou

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, demitiu nesta segunda-feira os ministros dos Transportes, Evgeny Ditrich, e do Meio Ambiente, Dmitry Kobylkin.

Presidente da Rússia, Vladimir Putin
Presidente da Rússia, Vladimir Putin

“O presidente da Federação da Rússia, (Vladimir) Putin, assinou um decreto de liberação de Dmitry Kobylkin do gabinete do Ministério do Meio Ambiente (…) bem como de Evgeny Ditrich do gabinete do Ministério dos Transportes”, informou o Kremlin.

Além dos dois ministros, Vladimir Yakushev, ministro da Construção, Habitação e Serviços Públicos da Rússia, também foi demitido.

O decreto assinado pelo presidente russo entra em vigor no dia da assinatura.

Duma Federal

O primeiro-ministro da Rússia, Mikhail Mishustin, pediu para que a Duma Federal confirmasse como novo ministro dos Transportes o diretor-executivo da companhia aérea Aeroflot, Vitaly Saveliev, para a chefia do Ministério dos Recursos Naturais e Ecologia, Aleksandr Kozlov, e para a chefia do Ministério da Construção, Habitação e Serviços Públicos da Rússia, Irek Faizullin.

O premiê russo também indicou a nomeação como vice-primeiro-ministro, Aleksandr Novak, que é atual ministro da Energia, sendo substituído por Nikolai Shulginov, atual diretor da RusHydro.

Anteriormente, Putin assinou uma lei constitucional, onde especifica o novo procedimento de formação do governo.

De acordo com a nova lei constitucional, o presidente da Rússia poderá nomear o chefe de gabinete apenas depois da candidatura ser confirmada pela Duma Federal.

Ao mesmo tempo, caso a candidatura seja recusada três vezes, o presidente poderá nomear o chefe do gabinete por conta própria.