Vladimir Putin diz que forças dos EUA tentam minar sucesso de cúpula com Trump

Arquivado em: América do Norte, Europa, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 19 de julho de 2018 as 14:26, por: CdB

Putin e Trump se reuniram pela primeira vez em Helsinque na segunda-feira, um evento que desencadeou uma tempestade de críticas nos EUA

Por Redação, com Reuters – de Moscou:

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, acusou nesta quinta-feira forças dos Estados Unidos de tentarem minar o sucesso de sua primeira cúpula com o presidente norte-americano, Donald Trump, e disse que os dois líderes conseguiram começar a melhorar os laços bilaterais apesar disso.

Cúpula Trump-Putin em Helsinque

Putin e Trump se reuniram pela primeira vez em Helsinque na segunda-feira, um evento que desencadeou uma tempestade de críticas nos EUA por Trump ter se recusado a culpar o líder russo por interferir na eleição norte-americana de 2016, comentários dos quais tentou se retratar depois.

Putin, que conversava com diplomatas russos de todo o mundo reunidos em Moscou, disse nesta quinta-feira que a cúpula foi um sucesso no geral, mas se queixou do que descreveu como esforços “poderosos” para sabotá-la nos EUA.

Relações

– Vemos que há forças nos Estados Unidos que estão preparadas para sacrificar casualmente as relações Rússia-EUA, a sacrificá-la por suas ambições no decorrer de uma batalha política interna nos Estados Unidos – disse Putin.

O líder russo disse que estas forças parecem dispostas a sacrificar empregos de norte-americanos e prejudicar a economia de seu país enquanto se entregam à sua batalha política.

Ele disse que teria sido ingenuidade esperar que a cúpula pudesse resolver, em um espaço de poucas horas, problemas que cresceram ao longo dos anos, mas que houve um pontapé inicial.

– O caminho para mudanças positivas começou mesmo assim – disse Putin. “É importante que uma reunião tenha finalmente acontecido e nos permitido conversar diretamente”.

Putin alertou, porém, para os perigos de Moscou e Washington não conseguirem continuar a reparar os laços, dizendo que o novo tratado de redução de armas estratégicas Start vencerá em um ano e meio a menos que se comece a trabalhar em uma prorrogação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *