Volta às aulas e o alerta do Reino Unido

Arquivado em: Opinião, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 11 de fevereiro de 2021 as 09:00, por: CdB

 

Enquanto o showman João Doria, governador de São Paulo, jura que a volta às aulas presenciais é segura, reportagem do jornal The Guardian aponta que o Reino Unido registra, desde janeiro, até 100 internações semanais de crianças com uma rara síndrome inflamatória.

Por Altamiro Borges – de São Paulo

Enquanto o showman João Doria, governador de São Paulo, jura que a volta às aulas presenciais é segura, reportagem do jornal The Guardian aponta que o Reino Unido registra, desde janeiro, até 100 internações semanais de crianças com uma rara síndrome inflamatória. Ela seria causada pela covid-19.

O Reino Unido registra, desde janeiro, até 100 internações semanais de crianças com uma rara síndrome inflamatória

Batizada de síndrome inflamatória multissistêmica pediátrica (SIM-P), ela já havia se manifestado na primeira onda da pandemia. Os sintomas incluem febre prolongada superior a 38 graus, dor de estômago, diarreia, erupção cutânea vermelha generalizada e inchaço dos dedos das mãos e pés.

Segundo o jornal, entre 12 e 15 crianças são diariamente hospitalizadas com sintomas desta síndrome desde o início de janeiro. A síndrome tem sido monitorada pelas autoridades de saúde, que garantem que não há motivos para pânico. Devido à identificação precoce da síndrome, poucos casos de hospitalização se tornaram graves, informa o Guardian.

Um estudo inicial revelou que cerca de 75% das crianças afetadas são de grupos étnicos minoritários no Reino Unido. Dos 78 pacientes com a síndrome admitidos em uma unidade de terapia intensiva, 47% eram de origem afro-caribenha e 28% de origem asiática. A incidência é de cinco a seis vezes maior do que as respectivas proporções desses grupos no país.

Uma greve em defesa da vida

O surgimento dessa rara síndrome inflamatória mostra que a questão da volta às escolas não é tão simples como insiste o governador paulista. Ela reforça as preocupações com a vida levantadas pela Apeoesp, o sindicato dos professores do ensino oficial de São Paulo, que decretou greve a partir de segunda-feira.

A paralisação é contra o retorno às aulas presenciais “no pior momento da pandemia. Nós vamos dar aula, mas de forma virtual. Faremos nosso trabalho, levando em consideração a vida. Isso serve tanto para os professores quanto para os alunos”, afirmou a presidente da Apeoesp, Maria Izabel Noronha, a Professora Bebel, em entrevista ao site UOL.

 

Altamiro Borges, é jornalista.

As opiniões aqui expostas não representam necessariamente a opinião do Correio do Brasil