Witzel diz que Bolsonaro sofre desequilíbrio emocional no caso Marielle

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 30 de dezembro de 2019 as 13:32, por: CdB

Em entrevista, na manhã desta segunda-feira, o governador do Estado do Rio, Wilson Witzel, rebateu as acusações feitas por Jair Bolsonaro acerca de supostas interferências adversário político nas investigações do Ministério Público sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco e do esquema de rachadinha no gabinete de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

 

Por Redação – do Rio de Janeiro

 

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC) rebateu, nesta segunda-feira, as acusações feitas por Jair Bolsonaro (sem partido) acerca de supostas interferências do governador nas investigações do Ministério Público sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco e do esquema de rachadinha no gabinete de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Interferência

Witzel classificou as acusações como “levianas e absurdas” e disse ainda que a afirmação é uma ofensa ao MP. O governador acrescentou que o presidente sofre com problemas mentais.

— É bom lembrar que quando o porteiro lá falou qualquer coisa eu nem era candidato a governador. Então, achei um completo absurdo, eu acho que o momento aí de desequilíbrio emocional tá falando esse tipo de coisa. Mas uma hora vai cair a ficha e vai ver que isso não é exatamente a realidade e vai ver que essas afirmações são completamente absurdas e levianas — afirmou, em entrevista a um programa matutino, em uma rede de TV aberta.

Governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, sai de aliado para adversário político do presidente Bolsonaro
Governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, sai de aliado para adversário político do presidente Bolsonaro

O governador do Rio também garantiu que não interfere, e nunca interferiu, no Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP-RJ).

— Jamais, nem na minha história como magistrado, muito menos como governador, eu vou interferir no Ministério Público e na independência da nossa Polícia Civil investigar — concluiu.