WTA diz que conversa de Peng Shuai com COI não basta

Arquivado em: Destaque do Dia, Esportes, Esportes Olímpicos, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 22 de novembro de 2021 as 12:05, por: CdB

 

O paradeiro de Peng, ex-número um de duplas do mundo, tornou-se uma tema de interesse internacional quase três semanas atrás depois que ela alegou que o ex-vice-premiê chinês Zhang Gaoli a agrediu sexualmente.

Por Redação, com Reuters – de Londres

A videoconferência da tenista chinesa Peng Shuai com o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI) não aborda nem alivia as preocupações da Associação de Tênis Feminino (WTA) a respeito de seu bem-estar, disse a WTA nesta segunda-feira.

Tenista chinesa Peng Shuai durante Aberto da Austrália

O paradeiro de Peng, ex-número um de duplas do mundo, tornou-se uma tema de interesse internacional quase três semanas atrás depois que ela alegou que o ex-vice-premiê chinês Zhang Gaoli a agrediu sexualmente.

Ela apareceu em um jantar com amigos no sábado e em um torneio de tênis infantil em Pequim no domingo, como mostraram fotos e vídeos publicados por jornalistas da mídia estatal chinesa e pelos organizadores do evento, mas isto foi pouco para diminuir os receios.

“Foi bom ver Peng Shuai em vídeos recentes, mas eles não aliviam nem abordam a preocupação da WTA com seu bem-estar e sua capacidade de se comunicar sem censura e coerção”, disse uma porta-voz da WTA por email.

Videoconferência

Indagada sobre a videoconferência com o COI, a porta-voz respondeu: “Este vídeo não muda nosso apelo por uma investigação plena, justa e transparente, sem censura, sobre sua alegação de agressão sexual, que é a questão que deu ensejo à nossa preocupação inicial.”

O COI disse em um comunicado que Peng fez uma videoconferência com seu presidente, Thomas Bach, no domingo, durante a qual ela disse estar segura e bem em sua casa em Pequim e que deseja que sua privacidade seja respeitada por ora.

Grupos ativistas globais pedem um boicote à Olimpíada de Inverno de Pequim em fevereiro em reação ao histórico de direitos humanos da China.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code