YouTube é multado por coleta ilegal de dados de crianças

Arquivado em: Destaque do Dia, Internet, Redes Sociais, Tecnologia, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 5 de setembro de 2019 as 11:05, por: CdB

Plataforma de vídeos do Google pagará US$ 170 milhões por recolher informações sem consentimento dos pais. Após acordo com agência reguladora dos EUA, empresa se compromete a oferecer novas proteções às crianças.

Por Redação, com DW – de Nova York

A Comissão Federal de Comércio (FTC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos impôs na quarta-feira multas no valor de 170 milhões de dólares ao YouTube, por coletar ilegalmente dados pessoais de crianças sem o consentimento dos pais.

Punição é considerada branda em comparação com uma imposta ao Facebook, de US$ 5 bilhões

A plataforma de vídeos do Google foi acusada de recolher as informações através dos “identificadores persistentes”, os chamados cookies, utilizados para rastrear usuários na rede.

A FTC afirma que a coleta de dados em canais direcionados ao público infantil com menos de 13 anos de idade, sem notificação prévia aos pais, viola a Lei de Proteção à Privacidade Online das Crianças (Coppa, na sigla em inglês).

“O YouTube promoveu sua popularidade com as crianças como potenciais clientes corporativos”, afirmou em nota o presidente da FTC, Joe Simons. Mas, quando se tratou de cumprir a lei, a empresa “se recusou a reconhecer que partes de sua plataforma são claramente direcionadas às crianças”, acrescentou. “Não há desculpas para as violações do YouTube.”

Google

Entre as provas apresentadas no processo, a FTC utilizou apresentações de executivos do Google a clientes na indústria de brinquedos, nas quais colocam o YouTube como o “website número 1 regularmente visitado por crianças”.

Após chegar a um acordo judicial com a agência reguladora americana, o Google garantiu que trabalhará junto aos criadores de vídeos para rotular materiais voltados para crianças e que limitará a coleta de dados quando usuários assistirem a esses conteúdos, independentemente da idade.

Segundo o texto do acordo, a gigante da internet se comprometeu a pedir o consentimento dos pais antes de recolher dados pessoais de crianças.

A empresa deverá pagar US$ 136 milhões para a FTC e outros US$ 34 milhões para o Estado de Nova York, que abriu um processo semelhante contra a companhia. Trata-se da maior multa imposta pelo órgão ao Google, ainda que tenha ficado muito abaixo da punição de US$ 5 bilhões imposta neste ano ao Facebook por violações de privacidade.

Legisladores e grupos de defesa dos direitos das crianças afirmam que os termos do acordo entre o Google e a FTC foram brandos demais para uma empresa que lucrou US$ 30,7 bilhões em 2018 e obteve rendimentos de US$ 136,8 bilhões, a maior parte com publicidade.

EUA

Nos últimos dois anos, o governo norte-americano vem aumentando a pressão sobre as grandes empresas de tecnologia, especialmente no que diz respeito a coleta e uso de informações pessoais de seus bilhões de clientes. No Vale do Silício, região nos EUA que reúne um grande número dessas companhias, muitas delas estão sendo investigadas por práticas antitruste, para determinar se agiram irregularmente para sufocar os concorrentes.

No Brasil, a resolução 163 do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda) proíbe a publicidade infantil e a comunicação mercadológica voltada a crianças menores de 12 anos com intenção de persuadi-las ao consumo de produtos e serviços com a utilização de linguagem, músicas, bonecos ou desenhos direcionados para esse público.

Em abril, o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos pediu a revisão da resolução do Conanda. O órgão chefiado pela ministra Damares Alves afirma que a exposição das crianças à publicidade seria uma forma de elas aprenderem a “descobrir e interpretar as mensagens e a pretensões” por trás dos anúncios. À época, o Conanda se manifestou contra a revisão da norma e encaminhou uma proposta contrária ao pedido do ministério.

Google é alvo de nova investigação

Mais da metade dos procuradores-gerais estaduais dos EUA está preparando uma investigação sobre o Google, do Alphabet, por possíveis violações antitruste, disse uma fonte informada sobre a investigação na terça-feira.

O Texas lidera o grupo de mais de 30 procuradores-gerais, que planeja anunciar a investigação em 9 de setembro, informou a fonte.

O Google disse que estava cooperando com as autoridades.

– Continuamos a trabalhar construtivamente com os órgãos reguladores, incluindo procuradores-gerais, para responder a perguntas sobre nossos negócios e o setor dinâmico de tecnologia – disse o representante do Google, Jose Castaneda.

Os gigantes da tecnologia, entre as empresas mais ricas e poderosas do mundo, estão enfrentando crescente escrutínio antitruste do Congresso, agências federais e agora procuradores-gerais estaduais.

O Departamento de Justiça disse em julho que estava abrindo uma ampla investigação das principais empresas de tecnologia digital, focando se elas se envolviam em práticas anticoncorrenciais. Acredita-se que a investigação seja direcionada ao Google, Amazon.com e Facebook, e potencialmente à Apple.

Separadamente, a Comissão Federal do Comércio, que também aplica a lei antitruste, também está investigando a Amazon e o Facebook para determinar se eles abusaram de seu enorme poder de mercado no varejo e nas mídias sociais, respectivamente.

O Washington Post foi o primeiro a relatar tais desdobramentos nesta terça-feira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *