China levanta barreiras ao investimento estrangeiro

Arquivado em: Comércio, Indústria, Negócios, Serviços, Últimas Notícias
Publicado domingo, 13 de janeiro de 2019 as 15:44, por: CdB

O investimento estrangeiro direto na China cresceu 3% em 2018 ante 2017 para US$ 135 bilhões, disse Zhong. O resultado marca uma desaceleração das taxas de crescimento de 7,9% em 2017 e 4,1% em 2016.

 

Por Redação, com Reuters – de Pequim

 

A China irá reduzir as restrições a investimentos estrangeiros e abordar as dificuldades que empresas estrangeiras enfrentam para investir no país, disse o ministro do comércio, de acordo com a transcrição de uma entrevista dada à mídia estatal.

O desenvolvimento da China, em setores estratégicos, é observado de perto em Shenzhen, uma antiga cidade de pescadores que entra no mapa mundial da alta tecnologia
O desenvolvimento da China, em setores estratégicos, é observado de perto em Shenzhen, uma antiga cidade de pescadores que entra no mapa mundial da alta tecnologia

O Ministro do Comércio Zhong Shan afirmou que a China permitiria que empresas fossem de propriedade totalmente estrangeira em mais áreas da economia e reduziria o número de indústrias nas quais o investimento estrangeiro era restrito ou proibido, de acordo com uma transcrição postada no site do Ministério do Comércio neste domingo.

Os comentários pareceram reiterações de promessas anteriores por oficiais chineses de maior abertura do mercado.

O investimento estrangeiro direto na China cresceu 3% em 2018 ante 2017 para US$ 135 bilhões, disse Zhong. O resultado marca uma desaceleração das taxas de crescimento de 7,9% em 2017 e 4,1% em 2016.

Guerra comercial

Zhong, porém, disse que a China manteve um crescimento estável do investimento estrangeiro direto “ante um clima global sombrio”, notando que o aporte estrangeiro direto total pelo mundo caiu 41% no primeiro semestre do ano passado.

A China tem pressionado para aumentar as oportunidades para empresas privadas e investidores estrangeiros para estimular uma economia que está se desacelerando, na onda de uma baixa demanda doméstica e uma guerra comercial com os Estados Unidos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *