Covid-19: Holanda tem novos protestos violentos 

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 26 de janeiro de 2021 as 10:31, por: CdB

Polícia volta a agir contra manifestantes, que atacaram e saquearam estabelecimentos comerciais em várias cidades do país. Mais de 150 são detidos. Toque de recolher está em vigor desde sábado, das 21h às 4h30.

Por Redação, com DW – de Amsterdã

A Holanda teve uma segunda noite de protestos na segunda-feira contra um toque de recolher imposto no fim de semana pelo governo para lutar contra a pandemia do novo coronavírus. Em todo o país, a polícia prendeu cerca de 150 pessoas.

Uma moto foi incendiada diante de uma lanchonete, que foi atacada, em Roterdã

A polícia de choque e manifestantes, a maioria deles jovens, se enfrentaram em cerca de 10 cidades, entre elas Roterdã, Amsterdã, Amersfoort, Hais, Bolduque, Haarlem e ‘s-Hertogenbosch, e a pequena cidade de Geleen, perto de Maastricht, no sul do país.

Os protestos foram especialmente violentos em Roterdã, onde a polícia usou jatos de água para dispersar os manifestantes. O prefeito da cidade publicou um decreto de emergência que amplia os poderes da polícia para prender pessoas.

Em Amsterdã, o prefeito afirmou que várias lojas foram saqueadas e depredadas e chamou os manifestantes de “ladrões desavergonhados”.

Imagens publicadas nas redes sociais mostram um grupo de manifestantes saqueando um estabelecimento comercial em Bolduque e um jornalista sendo agredido por manifestantes que o perseguiam em Haarlem.

Na primeira noite de protestos, no domingo, a polícia prendeu mais de 200 pessoas.

Os protestos foram convocados nas redes sociais e criticados pelo governo. “Isso não tem nada a ver com protestar, isso é violência criminosa, e é assim que será tratado por nós”, declarou o primeiro-ministro Mark Rutte.

Primeiro toque de recolher desde a Segunda Guerra

A Holanda iniciou no sábado seu primeiro toque de recolher desde a Segunda Guerra Mundial, em vigor todos os dias, das 21h às 4h30. A medida, que vai até 9 de fevereiro, tenta conter o avanço de novas variantes do coronavírus mais contagiosas e foi recebida com críticas por alguns deputados da oposição, entre eles o líder da extrema direita, Geert Wilders. A multa para os infratores é de 95 euros.

No domingo anterior, Amsterdã havia sido palco de um protesto não autorizado de negacionistas contra as medidas de lockdown para conter o avanço da covid-19, que acabou em confrontos entre manifestantes e policiais.