Covid-19: Rio cancela tradicional Réveillon de Copacabana

Arquivado em: Destaque do Dia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado sábado, 25 de julho de 2020 as 12:08, por: CdB

A principal festa de Réveillon do Brasil, na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, será cancelada devido à pandemia do novo coronavírus.

Por Redação, com Sputnik – do Rio de Janeiro

A principal festa de Réveillon do Brasil, na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, será cancelada devido à pandemia do novo coronavírus.

Rio de Janeiro cancela tradicional Réveillon de Copacabana
Rio de Janeiro cancela tradicional Réveillon de Copacabana

A informação foi confirmada pela prefeitura do Rio de Janeiro, conforme publicou o site da Bandnews neste sábado. A festa costuma atrair milhões de pessoas para a região de Copacabana.

Ainda segundo publicou o site de notícias, a empresa municipal de turismo, a RioTur, deve apresentar ao prefeito da cidade, Marcelo Crivella, formatos alternativos para a realização da festa, que incluem queima de fogos no Cristo Redentor e no Pão de Açúcar.

Ainda sem decisão oficial divulgada a respeito, o carnaval carioca também corre o risco de ser cancelado. Diversas diretorias das escolas de samba da cidade já afirmaram que só realizarão seus desfiles caso uma vacina contra a covid-19 esteja disponível para a população.

São Paulo

Em São Paulo, decisão semelhante foi tomada na sexta-feira devido à pandemia do novo coronavírus, com o cancelamento da tradicional festa de virada de ano na Avenida Paulista, assim como dos eventos ligados ao carnaval na cidade.

São Paulo e Rio de janeiro são as capitais dos estados mais afetados pela pandemia no Brasil. Segundo os dados mais recentes do Ministério da Saúde, 463.218 casos confirmados da covid-19 e 21.206 óbitos causados pela doença. Já o Rio de Janeiro acumula 154.879 casos e 12.654 mortes.

No Brasil inteiro, o número de casos da doença já supera 2,3 milhões, enquanto as mortes passam de 85 mil. O Brasil é o segundo país do mundo com mais casos e mortes devido à covid-19, atrás apenas dos Estados Unidos, conforme os dados da Universidade Johns Hopkins.