Desembargadores do TRF adiantam julgamento que pode prender Lula

Arquivado em: Brasil, Últimas Notícias
Publicado domingo, 11 de março de 2018 as 13:19, por: CdB

Os três desembargadores que condenaram Lula a 12 anos de cadeia vão julgar os embargos de declaração.

 

Por Redação – de São Paulo

 

Aumentou, consideravelmente, o risco de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ser preso, no próximo dia 26. A Corte decidiu antecipar a sessão em que os três de desembargadores que condenaram o líder petista a 12 anos e 1 mês de cadeia, João Pedro Gebran, Leandro Paulsen e Victor Laus, consolidarão a pena. A tendência é que rejeitem os embargos de declaração — recurso jurídico que não tem poder para reverter a decisão do colegiado — apresentados pela defesa do ex-presidente.

Gebran Neto (D) e Leandro Paulsen foram os dois primeiros a votar e a aumentar a pena de Lula
Gebran Neto (D) e Leandro Paulsen foram os dois primeiros a votar e a aumentar a pena de Lula

Lula foi condenado em um processo considerado por juristas internacionais como uma aberração. Não há provas que o líder petista seja proprietário de um tríplex, no Guarujá, litoral paulistano; ainda assim, foi condenado como se o fosse. A reação ao risco de o ex-presidente ser preso, no entanto, tem sido pequena. Neste domingo, apenas a presidenta do PT, senadora Gleisi Hoffmann se manifestou de forma mais contundente.

Reação pífia

“Só aumenta a perseguição para impedir Lula de disputar as eleições para presidente. Condenado sem provas e sem crime, Lula está perto de ser preso. Será o maior atentado à nossa democracia se isso acontecer. A Constituição é clara: ninguém pode ser preso antes do trânsito em julgado de sentença condenatória.

“Precisamos todos, todas, partidos e movimentos de esquerda, progressistas e democratas deste país, se opor a isso! É por Lula, mas também pela democracia, por direitos, pela dignidade do Brasil e do povo brasileiro que estamos lutando”, disse a senadora, em uma rede social.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *