Em protesto contra uso da água, mulheres ocupam duas hidrelétricas

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 20 de março de 2018 as 13:35, por: CdB

Um povo que não controla seus recursos naturais não tem condição de ser soberano”, afirma dirigente do MST

Por Redação, com ACS – de Belém:

Na manhã desta terça-feira, cerca de 2 mil Mulheres Sem Terra ocuparam a sede da Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf), em Paulo Afonso, localizada no nordeste da Bahia.

Em defesa da água, mulheres Sem Terra ocupam Chesf e Usina de Xingó, na região Nordeste

A ocupação mobiliza trabalhadoras assentadas e acampadas dos Estados de Alagoas, Bahia; Ceará, Paraíba, Pernambuco; Rio Grande do Norte e Sergipe; com o objetivo de barrar as medidas antipopulares do governo Temer; e as privatizações de empresas estatais como a Chesf.

A estatal

A estatal atua com capital aberto e trabalha na geração e transmissão de energia; em alta e extra-alta tensão; a partir da bacia hidrográfica do rio São Francisco.

As Sem Terra enfatizam que a Chesf é do povo; portanto; os frutos de sua produção precisam estar a serviço da classe trabalhadora; e não de empresas privadas.

No Sergipe, mais de 300 mulheres ocuparam a portaria da Usina de Xingó; em Canindé de São Francisco. As trabalhadoras residem no perímetro irrigado do Jacaré Curituba e afirmam; que irão permanecer no local até; que uma audiência seja marcada; com a superintendência da Companhia de Desenvolvimento do Vale do São Francisco (Codevasf); e do Instituto Nacional de Colonização; e Reforma Agrária (Incra).

Audiência

Reivindicam também que a audiência seja realizada; com a presença do Procurador Federal Dr. Ramiro Rockenbach; pois querem documentada a informação de quem; é a responsabilidade da gestão; do perímetro irrigado, do Jacaré Curituba.

Lucinéia Durães, da direção nacional do MST; diz que a água faz parte da soberania nacional. “Um povo que não controla seus recursos naturais; não tem condição de ser soberano. Por isso ocupamos Chesf para dizer que defendemos o trabalho; defendemos nosso país e; principalmente, o nosso povo”.

Truculência

Após a ocupação na Chesf, a Polícia Militar invadiu um dos portões da empresa e; sem diálogo, jogou bombas de gás lacrimogênio contra as manifestantes. Duas mulheres ficaram feridas; e outras passaram mal com o efeito do gás.

Declaração

Uma Declaração de Brasília com conclusões e compromissos de parlamentares de mais de 100 países; que participam do 8 Fórum Mundial da Água, em Brasília, foi lida nesta terça-feira, ao final do dia; como resultado das mesas dedicadas a debater o papel do Parlamento e o direito à água; que ocorrem desde o início da manhã.

No documento, os parlamentares devem reforçar a importância de compartilhar inovações, experiências; políticas públicas, marcos legais e boas práticas desenvolvidas em cada país participante para assegurar eficiência na utilização da água. Entre outras iniciativa; que os parlamentares devem se comprometer está a segurança hídrica na alocação de recursos orçamentários e não orçamentários; nacionais e internacionais destinada a países com dificuldade no acesso à água e saneamento.

Também deve ser incluído no manifesto o compromisso de transferência tecnológica; especialmente às populações mais vulneráveis. Outro compromisso que deverá entrar no documento é o apoio a ratificação e implementação de acordos internacionais sobre meio ambiente, água e saneamento.

Debates

O presidente do Conselho Mundial da Água, Benedito Braga, disse que o objetivo do fórum é trazer soluções que contribuam para o interesse público que possam ser implementadas. Nesse sentido, ressaltou a importância dos parlamentares, atores importantes, pois elaboram leis e regras para a boa gestão da água. “São eles os responsáveis pela aprovação dos orçamentos de estados e países, e têm papel fundamental na gestão dos recursos hídricos”, afirmou.

– Ao longo do dia vamos discutir como trabalhar as legislações de cada país no sentido de garantir água como um direito humano, como um bem que todos precisam no planeta. Vamos trocar experiências, discutir projetos, mas nada especificamente – explicou o presidente da Subcomissão do Fórum Mundial da Água, senador Jorge Viana (PT-AC) .

Viana é autor de uma Proposta de Emenda à Constituição que inclui a água no Artigo 5 da norma, como um direito humano. “Vou sugerir que todos os países trabalhem a água como um direito humano, direito à vida”; disse, lembrando que desde 2010 a Organização das Nações Unidas (ONU) estabelece essa classificação. O senador acrescentou que parlamentares de diversos países estão propondo a criação de uma espécie de assembleia ou Parlamento das Águas; onde lideranças mundiais poderiam se reunir para trocar experiências e apontar caminhos e soluções para uso da água.

Ausências

Cerca de 138 parlamentares de vários países estão inscritos no 8º Fórum Mundial da Água, apesar disso; a ausência dos principais chefes de Estado do mundo foi criticada pelo senador Jorge Viana. “Os líderes mundiais não vieram. Parece que não entenderam; que a mudança do clima é um fato, não viram ainda que não há comida sem água e que a agricultura é o setor que mais consome esse bem. Não viram que há muito desperdício, que muita gente ainda não têm o acesso básico à água”. ressaltou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *