Líderes das Coreias prometem trabalhar por fim da guerra

Arquivado em: Ásia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 27 de abril de 2018 as 11:00, por: CdB

As duas Coreias anunciaram que trabalharão juntamente com os Estados Unidos e a China neste ano para declarar um fim oficial para a Guerra da Coreia (1950-53) e buscar um acordo para estabelecer uma paz “permanente” e “sólida” em seu lugar

Por Redação, com Reuters – de Seul:

O líder norte-coreano, Kim Jong Un, e o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, se abraçaram nesta sexta-feira depois de prometerem trabalhar pela “desnuclearização completa da península coreana”, pontuando um dia de sorrisos e apertos de mão durante a primeira cúpula intercoreana em mais de uma década.

Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, e líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un

As duas Coreias anunciaram que trabalharão juntamente com os Estados Unidos; e a China neste ano para declarar um fim oficial para a Guerra da Coreia (1950-53); e buscar um acordo para estabelecer uma paz “permanente” e “sólida” em seu lugar.

A declaração

A declaração incluiu promessas de buscar uma redução gradual de armas militares, cessar atos hostis; transformar sua fronteira fortificada em uma zona pacífica e realizar conversas multilaterais com outros países, incluindo os EUA.

– Os dois líderes declaram diante de nosso povo de 80 milhões e do mundo inteiro que não haverá mais guerra na península coreana e; que uma nova era de paz começou – disse a declaração conjunta.

Mais cedo, Kim se tornou o primeiro líder norte-coreano desde a Guerra da Coreia a pisar na Coreia do Sul; depois de apertar a mão do presidente sul-coreano sobre um meio-fio de concreto; que assinala a divisa na zona desmilitarizada altamente fortificada entre os dois países.

As cenas de Moon e Kim brincando e caminhando juntos contrastaram de forma acentuada; com a sequência de testes de mísseis da Coreia do Norte e do maior teste nuclear de sua história realizados no ano passado; que desencadearam amplas sanções internacionais e criaram temores de um novo conflito na península coreana.

O encontro bilateral

O encontro bilateral ocorreu semanas antes de uma reunião prevista entre Kim e o presidente norte-americano, Donald Trump; que representaria o primeiro encontro de líderes dos dois países no exercício da função.

Moon concordou em visitar Pyongyang mais tarde neste ano; de acordo com a declaração conjunta.

Como parte dos esforços para reduzir as tensões, os dois lados concordaram em abrir um escritório de ligação; suspender as transmissões de propaganda política e os lançamentos de panfletos ao longo da fronteira e permitir que famílias coreanas separadas pela divisa se reúnam.

Poucos dias antes da cúpula, Kim disse que a Coreia do Norte suspenderá os testes nucleares; e de mísseis de longo alcance e desmontará sua única instalação conhecida de testes nucleares.

Mitos

Mas muitos ainda duvidam que Kim esteja disposto a abdicar do arsenal atômico; que seu país defendeu e desenvolveu durante décadas por se tratar do que Pyongyang diz ser um meio de dissuasão necessário contra uma invasão dos EUA.

Não é a primeira vez que líderes das duas Coreias expressam sua esperança na paz; e duas cúpulas anteriores realizadas em Pyongyang em 2000 e 2007 não levaram os norte-coreanos a interromperem seus programas de armas nem melhoraram as relações de forma duradoura.

– Faremos esforços para criar bons resultados nos comunicando com frequência; de maneira a fazer com que nosso acordo; assinado nesta sexta-feira diante do mundo inteiro, não termine somente como um início; como acordos anteriores ao desta sexta-feira –  disse Kim após a assinatura do pacto.

Kim

Mais cedo, Moon cumprimentou Kim na linha de demarcação militar, onde os dois sorriram e apertaram as mãos.

Kim surpreendeu convidando Moon a cruzar rapidamente para o lado norte-coreano, e em seguida os dois líderes voltaram à Coreia do Sul se mãos dadas.

– Fiquei entusiasmado de nos encontrarmos neste local histórico, e é realmente comovente que você tenha vindo até a linha de demarcação para me receber em pessoa –  disse Kim, vestindo seu tradicional terno preto à la Mao Tsé-Tung.

– Uma nova história começa agora. Uma era de paz, do ponto inicial da história –  escreveu Kim em coreano em um livro de visitas na Casa da Paz sul-coreana antes do início das conversas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *