Nuvem gigantesca de gafanhotos ameaça dizimar pastagens no Leste da África

Arquivado em: África, Destaque do Dia, Meio Ambiente, Mundo, Natureza, Últimas Notícias
Publicado domingo, 5 de julho de 2020 as 16:55, por: CdB

Numerosos países do Leste da África estão ameaçados por novos enxames de gafanhotos extremamente vorazes. O alarme parte do Centro de Previsão e Aplicativos do Clima (ICPAC) da Autoridade Intergovernamental para o Desenvolvimento (IGAD), sediado na capital queniana, Nairóbi.

Por Redação, com DW – de Mogadíscio

Há meses, milhões de gafanhotos do deserto se abatem sobre África, Ásia e Oriente Médio, e novos enxames vorazes se formam no Leste africano. Condições climáticas e medidas contra coronavírus agravam risco de fome.

Muitas culturas africanas consomem a proteína contida nos gafanhotos, principalmente, nas rações animais
Muitas culturas africanas consomem a proteína contida nos gafanhotos, principalmente, nas rações animais

Numerosos países do Leste da África estão ameaçados por novos enxames de gafanhotos extremamente vorazes. O alarme parte do Centro de Previsão e Aplicativos do Clima (ICPAC) da Autoridade Intergovernamental para o Desenvolvimento (IGAD), sediado na capital queniana, Nairóbi.

No norte do Quênia, leste da Etiópia e partes da Somália, novos insetos eclodiram em grande número, fala-se da pior praga em 70 anos. Já foram destruídas muitas safras etíopes e somalis, e o Centro alerta sobre o perigo para o abastecimento alimentar da população. “Como é elevada a probabilidade de os enxames migrarem, é muito alto o risco de que colheitas e pastos sejam ainda mais prejudicados”, disse a instituição, em nota.

Fome

Há meses, milhões de gafanhotos do deserto se abatem sobre parte da África, Ásia e Oriente Médio, destruindo áreas cultivadas e pastos. Os insetos permanecem inicialmente no solo, mas alçam voo na fase adulta, podendo cobrir até 130 quilômetros por dia, em condições de vento favoráveis. Uma vez assentado, um enxame de um quilômetro quadrado de extensão pode consumir diariamente tanto quanto 35 mil seres humanos. Algumas culturas, no entanto, consomem a proteína contida nos insetos, principalmente, nas rações animais.

Os países africanos afetados combatem a praga com inseticidas, porém as chuvas abundantes dos últimos meses favoreceram a multiplicação dos animais daninhos. A situação de base já é desfavorável: devido a secas anteriores, inundações e conflitos, grande parte dos habitantes da África Oriental está ameaçada de fome, e a pandemia de covid-19 agravou ainda mais as circunstâncias.

Como já alertara Luciana Dabramo, coordenadora para ajuda emergencial da ONG filantrópica Aldeias Infantis SOS (SOS Kinderdörfer), sediada na Áustria, as medidas contra o coronavírus interromperam as cadeias de fornecimento de alimentos: em diversos locais os preços aumentaram, enquanto milhões, sobretudo entre os mais pobres, perderam seus empregos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *