Organização liderada por Bolsonaro guarda características da máfia, compara jurista

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 7 de julho de 2021 as 16:42, por: CdB

A jurista Carol Proner, ao comparar o grupo de apoio a Bolsonaro com as organizações mafiosas, afirma que a ex-cunhada de Bolsonaro, que apontou a sua participação no esquema de peculato que ficou conhecido como escândalo das rachadinhas, “corre perigo”.

Por Redação, com RBA – de São Paulo

Jurista e professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a advogada Carol Proner comparou a lógica de funcionamento da família Bolsonaro e de milicianos no seu entorno à de grupos mafiosos. Nesses grupos, o código de honra – a chamada Omertà – é baseado no silêncio: “não falar, não expor e imperativamente não cooperar com autoridades, mesmo quando sob pressão de uma acusação ou um processo injusto”. Bem distantes da máfia italiana, o que garante a coesão dos grupos milicianos é o “medo”.

A máfia guarda um código de silêncio protegido com a vida de seus integrantes

Nesse sentido, ela afirma que a ex-cunhada de Bolsonaro, que apontou a sua participação no esquema de peculato que ficou conhecido como escândalo das rachadinhas, “corre perigo”.

— Andrea Siqueira Valle falou demais, vacilou, contou a uma terceira pessoa o esquema original da ‘familícia’ e expôs o feito das rachadinhas envolvendo diretamente o Presidente da República. Ao ser procurada, Andrea evitou a imprensa, silenciou. Mas um áudio foi exposto — destaca Carol Proner, à agência brasileira de notícias Rede Brasil Atual (RBA).

Ameaçado

Ela comparou esse caso à morte do miliciano Adriano da Nóbrega. Ele foi executado no início de 2020, em operação policial com ares de “queima de arquivo“. Parentes do miliciano nomeados como assessores no gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro são suspeitos de participarem do esquema de desvio de salários.

Citou também o ex-ministro Gustavo Bebbiano, morto naquele mesmo ano. Ele sofreu um infarto enquanto dormia. Após romper com Bolsonaro, o ex-ministro se gabava de possuir uma “carta-bomba”, na qual revelaria bastidores das eleições ocorridas naquele ano. Ou, ainda, o ex-governador Wilson Witzel, que também se diz ameaçado pela família Bolsonaro e seu entorno.

— Mas, pelo andar da carruagem e com o isolamento do governo, o temor corporativo dá lugar a outras razões. De pessoas de bem a predestinados, a política fornece saídas para os arrependidos. Nos próximos meses e anos serão muitos os áudios e vídeos e as testemunhas a ilustrar a decadência de um país que permitiu a chegada de um miliciano genocida ao poder — destaca a jurista.

Impeachment

A sociedade também reage, segundo ela, tomando as ruas em sucessivos protestos pelo impedimento de Bolsonaro. Carol ainda classifica como “extremamente constrangedora” a posição do procurador-geral da República, Augusto Aras, que atua para blindar a família presidencial.

Contudo, o superpedido de impeachment “caiu como uma bomba” no colo do presidente da Câmara, deputado Arthur Lira (PP-AL), expondo também seus “interesses espúrios” em suas ligações com o Palácio do Planalto.

— Mas tenhamos paciência, afinal o Ministro Roberto Barroso acaba de descobrir que foi golpe — ironizou a jurista. Ela faz menção à recente declaração de Barroso, que reconheceu que a ex-presidenta Dilma Rousseff “não foi afastada por crimes de responsabilidade ou corrupção”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code