Partidos da esquerda precisam valorizar mais a Greve Geral

Arquivado em: Destaque do Dia, Opinião, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 12 de junho de 2019 as 12:56, por: CdB

Estamos frente a uma greve negligenciada pelo conjunto da esquerda e da CUT; os governadores apoiaram a reforma, o que esvazia de conteúdo a greve desta sexta feira.

 

Por Maria Fernanda Arruda – do Rio de Janeiro

As mensagens do hoje ministro da Justiça, Sérgio Moro, e do procurador Deltan Dallagnol sujam a credibilidade da Operação Lava Jato. Elas mudaram o eixo do debate nacional em torno da reforma da Previdência e da greve.

O Brasil tem que parar no dia 14 de junho, demonstrando aos deputados e senadores a oposição da maioria à deforma que elimina as aposentadorias

Apesar disso, nós estamos focados na Greve Geral. E no comportamento dos partidos em torno a um acordo nacional para viabilizar os ataques aos trabalhadores. Na véspera, todos os governadores junto com Bolsonaro e Rodrigo Maia aprovaram a reforma, isto inclui os governadores do PT e do PC do B.

Se acompanharmos as páginas dos partidos, o PT dedica um artigo em terceiro nível de relevância ao tema da greve. Em seu site e na página do facebook, o PT não menciona o fato de os governadores petistas terem aprovado a reforma e apresenta um discurso no qual, de forma genérica, Carmen Foro, presidenta da CUT, chama todo mundo a parar o Brasil no dia 14 de junho contra o retrocesso e a favor dos direitos do povo.

O PSOL, em seu site não faz menção à greve e, na sua pagina, comenta numa mínima publicação os escândalos e a greve de forma discreta.

O PDT do Ciro, no seu site, não faz referencia à greve e, na sua página no facebook, numa publicação apenas, diz que precisamos reagir chamando para o dia 14.

Conclusão

Estamos frente a uma greve negligenciada pelo conjunto da esquerda e da CUT; os governadores apoiaram a reforma, o que esvazia de conteúdo a greve desta sexta feira.

Temos que chamar os estudantes, que saíram às ruas; ao movimento das mulheres, aos trabalhadores da cidade e do campo a derrubar a reforma da previdência e exigir a saída de Moro; Guedes e Bolsonaro do planalto.

Greve Geral nesta sexta-feira – Dia 14 – Contra a Reforma da Previdência.

#ForaBolsonaro.

Maria Fernanda Arruda é escritora e articulista, no Correio do Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *