Piñera toma posse em seu segundo mandato no Chile

Arquivado em: América Latina, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado domingo, 11 de março de 2018 as 15:21, por: CdB

Bachelet entregou a Piñera a “medalha O’Higgins”, símbolo da transição de poder, repetindo os mesmos protagonistas das últimas duas trocas de presidente.

 
Por Redação – de Valparaíso, Chile

 

Economista bilionário e líder da direita latino-americana, Sebastián Piñera, de 68 anos, tomou posse neste domingo como novo presidente do Chile. Inicia, assim, seu segundo mandato no comando do país.

Piñera já havia cumprido um mandato na Presidência do Chile e retorna, agora, para mais quatro anos
Piñera já havia cumprido um mandato na Presidência do Chile e retorna, agora, para mais quatro anos

Ele já havia ocupado o cargo de 2010 a 2014, entre os dois governos da socialista Michelle Bachelet. O juramento foi feito no Congresso Nacional do Chile, na presença de líderes da região, como o presidente de facto do Brasil, Michel Temer.

Parlamento hostil

Bachelet entregou a Piñera a “medalha O’Higgins”, símbolo da transição de poder, repetindo os mesmos protagonistas das últimas duas trocas de presidente, no Chile. A agora ex-mandatária garantiu neste domingo que não tentará um terceiro mandato.

Em seu segundo governo, Piñera terá de lidar com a pressão para reformar a Constituição chilena, herdada do regime militar de Augusto Pinochet. Antes de deixar o poder, Bachelet apresentou a proposta de uma nova Carta Magna.

Além disso; poderá enfrentar um Parlamento hostil. Tanto a Câmara dos Deputados quanto o Senado serão presididos por socialistas: Maya Fernández, neta de Salvador Allende, e Carlos Montes.

La Moneda

O político ganhou as eleições do ano passado com a promessa de eficiência na gestão e de posicionar o Chile no caminho do crescimento e do progresso; um discurso parecido com o que o levou à vitória no pleito de 2009.

Agora, no entanto, Piñera afirma que será um presidente diferente daquele do primeiro mandato, mais sossegado e experiente.

— A melhor universidade para ser presidente não é Harvard; nem Chicago. É o Palácio de la Moneda (sede do governo do Chile) — afirmou nesta semana; em entrevista à televisão.

Uma das suas tarefas mais urgentes será tentar reativar a economia que; durante a última gestão de Michelle Bachelet, cresceu com média anual de 2,1%.