Preço médio do diesel cai 9% nos postos, aponta ANP

Arquivado em: Comércio, Negócios, Últimas Notícias
Publicado sábado, 9 de junho de 2018 as 16:00, por: CdB

O valor médio do diesel nos postos atingiu uma média de R$ 3,482 por litro nesta semana; queda de R$ 0,346 por litro, ou 9 %, ante o recorde de R$ 3,828 na semana passada

Por Redação, com Reuters – do Rio de Janeiro:

O preço médio do diesel caiu 9 %  nesta semana nos postos do Brasil, apontaram dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), após o governo prometer aos caminhoneiros um corte dos valores do combustível fóssil, para encerrar uma grande paralisação. 

Preço médio do diesel cai 9% nos postos, aponta ANP

O valor médio do diesel nos postos atingiu uma média de R$ 3,482 por litro nesta semana; queda de R$ 0,346 por litro, ou 9 %, ante o recorde de R$ 3,828 na semana passada, segundo pesquisa semanal da agência reguladora.

O recuo nos postos, no entanto, ainda não refletiu a redução média de R$ 0,46 por litro realizada nas refinarias, em 1º de junho, e prometido pelo governo federal aos caminhoneiros, ante o valor registrado quando começaram os protestos, em 21 de maio.

O diretor da ANP Aurélio Amaral explicou à agência inglesa de notícias Reuters que isso ocorre porque nem todos no setor de combustíveis tiveram acesso à subvenção realizada pelo governo federal; já que muitos estoques com preços antigos ainda não foram totalmente consumidos.

Além disso, Amaral explicou que diversos Estados ainda precisam reduzir o preço de referência para a cobrança do imposto ICMS para que o corte; que já está em vigor nas refinarias desde 1º de junho, possa chegar inteiramente aos consumidores finais; nos postos de combustíveis. “Cada Estado pode fazer isolado.

Acordo

Mas geralmente isso é um acordo político, tem que fazer de forma coordenada”, disse Amaral à Reuters. O resultado da pesquisa da ANP já havia sido parcialmente antecipado no início desta semana, quando a associação Plural (ex-Sindicom); que representa as principais distribuidoras do país; havia informado que o corte de R$ 0,46 por litro nos postos apenas será possível dentro de 15 ou 30 dias.

Isso porque o corte foi aplicado no diesel puro, vendido nas refinarias; enquanto o diesel vendido nos postos de combustíveis recebe a adição de 10 %  de biodiesel; mais caro que o combustível fóssil; segundo explicou o presidente da Plural Leonardo Gadotti.

Para completar o corte nos postos, explicou, Estados brasileiros estão reduzindo a cobrança do ICMS. Nas refinarias, o corte foi possível depois que a Petrobras aderiu a um programa de subvenção do governo federal, reduzindo e congelando os preços; contando que será ressarcida por possíveis prejuízos.

Uma redução de tributos federais também foi realizada. Demais combustíveis.

A gasolina

A gasolina, por sua vez, registrou queda de 0,2 % , para R$ 4,603 por litro; ante a máxima registrada na semana passada; segundo a ANP; depois da Petrobras realizar cortes no preço do combustível ao longo da semana; em meio a uma queda do preço do barril do petróleo no mercado internacional.

No caso da gasolina, a Petrobras permanece administrando reajustes quase que diários; seguindo indicadores internacionais, como preço do barril do petróleo e o dólar, em busca de rentabilidade.

Na quinta-feira, o presidente da Petrobras, Ivan Monteiro; afirmou que aguardará resultados de consulta pública sobre preços dos combustíveis anunciada; pela ANP antes de decidir se será necessária uma mudança na frequência dos reajustes realizados pela companhia na gasolina.

A consulta pública

A consulta pública visa obter contribuições da sociedade para a elaboração de uma resolução sobre periodicidade do repasse dos reajustes de preços de combustíveis.

O processo será realizado entre 11 de junho e 2 de julho e é aberto a órgãos e entidades dos poderes da União; dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios; a todo mercado petrolífero, aos consumidores; a segmentos técnicos e ao público interessado no tema.

O etanol hidratado, concorrente da gasolina nas bombas, por sua vez, teve alta de quase 1 %; para R$ 2,982 por litro; mostrou a pesquisa da ANP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *